Floresta Segura: GNR está em Proença a sinalizar situações de incumprimento

Floresta Segura: GNR está em Proença a sinalizar situações de incumprimento

Os militares da SEPNA – Secção de Proteção da Natureza e do Ambiente, da UEPS – Unidade de Emergência de Proteção e Socorro, da GNR, com a colaboração de militares de Castelo Branco, estão hoje e amanhã (26 e 27 de Março) no concelho de Proença-a-Nova a sinalizar situações de incumprimento quanto à limpeza das faixas de gestão de combustível junto aos aglomerados urbanos.

Hoje sexta-feira estiveram nas Freguesias de Proença-a-Nova, Peral e São Pedro do Esteval, estando amanhã 27 de março, nas freguesias de Sobreira Formosa, Alvito da Beira e Montes da Senhora.

O objetivo é georreferenciar as situações críticas de incumprimento ao Decreto-Lei 124/2006, de 28 de junho, que obriga à gestão de combustível nos cem metros em redor dos aglomerados populacionais e nos 50 metros em redor das habitações isoladas.

À semelhança do que foi feito no ano passado, as situações georreferenciadas nestas ações serão posteriormente comunicadas à Câmara Municipal, Juntas e Uniões de Freguesia e associações locais no sentido de a informação chegar aos proprietários dos terrenos em incumprimento.

esclarece a autarquia de Proença-a-Nova

Segundo, Pedro Farinha, sargento ajudante, chefe do núcleo de proteção ambiental do Destacamento da GNR da Sertã, “no período de aperto, com a gestão de combustível feita, em caso de incêndio florestal há uma diminuição de perigo para as edificações e para as pessoas”.

Em 2020, neste Destacamento, que engloba os Postos Territoriais de Proença-a-Nova, Sertã, Oleiros e Vila de Rei, foram sinalizadas 950 situações, 132 das quais no concelho proencense.

Depois desta etapa, os militares retornarão ao terreno para o contacto direto com a população, se possível os proprietários, “no sentido de os alertar que têm de fazer a gestão de combustível em redor das edificações até ao próximo dia 15 de maio”. Será ainda realizada sensibilização sobre queimas e queimadas: “nos últimos dois, três anos constatámos que houve uma diminuição crescente da questão dos incêndios florestais provocados por negligência o que é de salutar”. De acordo com Pedro Farinha, para esta redução contribuiu a obrigatoriedade da comunicação prévia da realização de queimas e queimadas. Será ainda realizado policiamento preventivo, sensibilizando a população quanto a burlas ou à presença de pessoas estranhas nas aldeias, entre outros assuntos.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter