Verdades do Senhor de la Palice

Verdades do Senhor de la Palice

A minha musa, coitada, deve estar confinada, com covid ou sarampelo. Sarampelo dizia-se, por lá, quando eu era pequeno. Mas isto de escrever, hoje, nem a ferros quer sair. Não há inspiração para fazer rir, cantar e fugir ao matraquilhar sisudo de conselhos sanitários e à feliz ameaça da chegada de uma vacina, mesmo que muito friorenta. O povo bem diz que não se fazem omeletes sem ovos. É uma verdade do senhor de La Palice, um senhor muito importante, uma verdade muito badalada!…

Vou recordar: Jacques de Chabannes, Senhor de La Palice, foi guerreiro francês de fibra e prestígio, dizem as boas e as más línguas. Mas bateu a caçoleta perto de Pavia, em peleja de se lhe tirar o chapéu, diz quem sabe. Foi bem feito!… terão dito os seus amigos da onça.

Os soldados que ele comandava, porém, rendidos ao seu engenho e destemor bélico, quiseram render-lhe uma homenagem de se ver e sentir. No entanto, nesse entusiasmo e fervor festivo, somos levados a crer que o autor duma canção do programa, deveria precisar, por certo, de alguns exames clínicos. Se pensou muito a medir a métrica, deveria ter muito colesterol ou grandes varizes na veia poética. Poetou assim: “O Senhor de La Palice / Morreu em frente a Pavia / Momentos antes da sua morte / Podem crer, inda vivia”. É essa a verdade do senhor de La Palice sem ele nada ter a ver com isso, o poeta é que sim!…

Dou outro exemplo para aqueles que, com dúvidas, ficaram a olhar para trás e a reler a verdade do senhor de La Palice: se antes do 25 de abril se vivia antes de morrer, depois do 25 de abril, para morrer basta estar vivo! Verdades de La Palice! Mas também é uma lapalissada afirmar que não se fazem omeletes sem partir os ovos. Mas pode haver quem queira ter as omeletes no prato e os ovos na despensa. E aqui é que está o busílis. Como calceteiros marítimos à sombra da bananeira, aguarda-se o sol na eira e a chuva no nabal, preferindo não fazer nada e, depois, descansar, à espera que tudo aconteça como exigimos!

Como o leitor acaba de ver, e também diz o povo, do comer e falar tudo vai do começar! Então, esticando eu todo este palanfrório para o campo sobre o qual costumo escrever, também na vivência da fé muitas vezes se quer o sol na eira e a chuva no nabal. Têm-se os ovos, mas prevalece a preguiça de os partir. Deseja-se o bom e o bem, mas dispensa-se qualquer esforço e trabalho. Acredita-se em milagres, e bem, de quando em vez eles acontecem. Espera-se que eles se realizem em nós, e mal. Deus, creio eu, não vem fazer o que, por preguiça ou desleixo, alguém não quer ou deixa de fazer. E para ficar bem perante si próprio, habilidosamente se floreia esse modo de ser e estar com muitos penachos e muitas razões pessoais, razões sem qualquer razão e penachos a esvoaçar ao vento. Neste crer, viver e esperar, podem-se alimentar ilusões, reivindicar exceções, puxar por peneiras e importâncias, comparar-se, julgar-se superior… Ora, estas manivelas a fazer girar a maquineta do egoísmo, não alindam ninguém, desfeiam a todos, sacodem os nervos de muitos…

O milagre por excelência foi o da salvação universal realizado por Cristo, gratuitamente, por amor, cujo nascimento vamos celebrar com muita alegria e cuidados: é Natal! Toda a humanidade usufrui desse gesto do amor de Deus para connosco, e de tal forma que “debaixo do céu não existe outro nome dado aos homens, pelo qual possamos ser salvos” (At 4, 12). Esperneemos ou não, quer vivamos quer morramos, pertencemos ao Senhor, embora Ele respeite as nossas opções e liberdade!…

Dentro dos seus planos, Deus, rico em misericórdia, fez a sua parte, espera agora que façamos a nossa. E ao indicar o caminho a seguir, lembrou-nos que a porta de entrada é estreita: “Esforçai-vos por entrar pela porta estreita, porque vos digo: muitos tentarão entrar e não conseguirão” (Lc 13, 24). Os curiosos lá do sítio, já de bloco e lápis na mão e com a fita de alfaiate ao ombro para se medirem em função da estreiteza da porte e da dieta a fazer, perguntaram a Jesus se, na verdade, eram poucos aqueles que entravam por essa porta adentro. Mas…, oh que chatice!… Jesus foi mesmo um desmancha prazeres, não lhes satisfez a curiosidade, e o enigma permanece!… Sempre foi e será coisa que não vai de palpites, não é passível de sondagens, não se esclarece com estatísticas, gráficos e variadas comparações, muito menos em gritarias como as do futebol e as da política em certos debates nas pantalhas televisivas. Jesus não lhes revela o resultado. Apresenta-lhes, isso sim, as regras do jogo num relvado onde as caneladas, as e-toupeiras, os apitos dourados e outros truques e habilidades danosas devem estar ausentes. Só o fair play tem lugar. Jesus dá-lhes a entender que aquilo que lhes deve interessar não é o de saber quantos se salvam. O que os deve preocupar é saber quais são as exigências do Reino para se puderem salvar, pois a porta, embora aberta a todos, é estreita, mesmo para os magricelas ou trinca-espinhas. Trata-se de escolher o verdadeiro caminho da vida, aquele que faz escrever uma nova e verdadeira história de vida. Portanto, não é uma questão de curiosidade, é de compromisso. Se assim não for, o dono pode fechar a porta e deixar-nos fora, a gemer.

“Esse é o problema – diz o Papa Francisco – Jesus não nos quer iludir, dizendo: “Sim, fiquem tranquilos, é fácil, existe uma bonita estrada e, lá no final, um grande portão…”. Não fala isso: fala-nos da porta estreita. Diz-nos as coisas como são: a passagem é estreita. Em que sentido? No sentido de que, para se salvar, é preciso amar a Deus e ao próximo, e isso não é confortável! É uma “porta estreita” porque é exigente, o amor é exigente, sempre, requer empenho, ou melhor, “esforço”, isto é, uma vontade decidida e perseverante de viver segundo o Evangelho. São Paulo chama isso de “o bom combate da fé” (1Tm 6,12). É preciso o esforço de todos os dias, de cada dia para amar Deus e o próximo.” Há um dono da casa que representa o Senhor. “A sua casa simboliza a vida eterna, ou seja, a salvação. E aqui volta a imagem da porta. Jesus diz: «Quando o dono da casa se levantar e fechar a porta, ficareis fora e batereis, dizendo: “Abre-nos, Senhor!”. Mas ele responder-vos-á: “Não sei de onde sois!”». (v. 25). Então, estas pessoas procurarão ser reconhecidas, lembrando ao dono da casa: «Comemos e bebemos contigo… Ouvimos os teus conselhos, os teus ensinamentos públicos…» (cf. v. 26); «Estivemos presentes, quando tu deste aquela conferência…». Mas o Senhor repetirá que não os conhece, chamando-lhes «praticantes de injustiça». Eis o problema! O Senhor não nos reconhecerá pelos nossos títulos — «Mas olha, Senhor, que eu pertencia àquela associação, eu era amigo daquele monsenhor, daquele cardeal, daquele sacerdote…». Não, os títulos não contam, não contam! O Senhor só nos reconhecerá por uma vida humilde, por uma vida boa, por uma vida de fé, que se traduz em obras”.

As importâncias inúteis, as sabenças empoleiradas, as façanhas trauliteiras e outras forças
descarriladas em nada contribuem para se ouvir o: “faz favor de entrar” -, por aquela dita porta, estreita. Nestas questões da salvação, do amar a Deus e ao próximo como Cristo nos amou, ninguém substitui ninguém, ninguém vale porque descende, convive ou ouve gente de bem e importante. Cada um é cada qual, vale e responde por si. Se queremos omeletes, não basta que tenhamos os ovos, é preciso parti-los e cozinhá-los: verdade do senhor de La Palice.

Antonino Dias
Portalegre-Castelo Branco, 18-12-2020.

Para si... Sugerimos também...

Subscreva a nossa newsletter