Os sonhos, a memória e a oração dos avós!…

Os sonhos, a memória e a oração dos avós!…
Dom Antonino Dias, bispo de Portalegre-Castelo Branco

Muitas pessoas já celebram o Dia dos Avós em 26 de julho de cada ano, dia litúrgico de Santa Ana e São Joaquim, avós maternos de Jesus. Com o Santo Padre, saudamos todos os avôs e avós, cada idoso e cada idosa, pedindo ao Senhor para todos eles a graça da alegria e da paz, em saúde e bom acolhimento familiar e social, ou institucional, se for o caso. Que a vida lhes sorria sempre. Aos que já partiram, que o Senhor lhes dê o eterno descanso e intercedam por nós junto de Deus.

A Assembleia da República Portuguesa, em 3 de abril de 2003, nos termos do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição da República, que nos termos do artigo 67.º define a família como elemento fundamental da nossa sociedade, resolveu, a pedido de várias pessoas e instituições, instituir esse dia 26 de julho de cada ano como Dia Nacional dos Avós. No projeto de resolução n.º 142/IX, pelo qual instituiu esse Dia Nacional dos Avós, a Assembleia da República realça a importância dos avós como agentes de equilíbrio de relações afetivas em família, pelo seu papel na transmissão de valores sociais e de valores da família, pelo seu importante papel na educação dos netos, já que os pais estão ausentes em grande parte do dia, bem como pela sua troca de saberes e de experiências em família e na sociedade, permitindo a continuidade.

O Papa Francisco, este ano, instituiu, a nível da Igreja Católica, o Dia Mundial dos Avós, a celebrar sempre no Domingo mais próximo do dia 26 de julho, dia litúrgico de Santa Ana e São Joaquim. Neste primeiro Dia Mundial dos Avós, a Igreja manifesta a sua solidariedade com todos os avós e idosos, dizendo a cada um: a Igreja “preocupa-se contigo, ama-te e não quer deixar-te abandonado”. Esta afirmação da Igreja é feita pela voz do Papa Francisco. Ele recorda a cada um a promessa que o Senhor fez aos discípulos antes de subir ao Céu: «Eu estou contigo todos os dias» (cf. Mt 28, 20).

Lembrando o anjo que veio animar e incutir esperança ao avô materno de Jesus em hora menos boa da sua vida, Francisco afirma que “mesmo quando tudo parece escuro, como nestes meses de pandemia, o Senhor continua a enviar anjos para consolar a nossa solidão, repetindo-nos: «Eu estou contigo todos os dias». Di-lo a ti, di-lo a mim, a todos. Está aqui o sentido deste Dia Mundial que eu quis celebrado pela primeira vez precisamente neste ano, depois dum longo isolamento e com uma retoma ainda lenta da vida social: oxalá cada avô, cada idoso, cada avó, cada idosa – especialmente quem dentre vós está mais sozinho – receba a visita de um anjo! Este anjo, algumas vezes, terá o rosto dos nossos netos; outras vezes, dos familiares, dos amigos de longa data ou conhecidos precisamente neste momento difícil. Neste período, aprendemos a entender como são importantes, para cada um de nós, os abraços e as visitas, e muito me entristece o facto de as mesmas não serem ainda possíveis em alguns lugares”.

Acentuando também a importância da Palavra de Deus em nos ajudar a entender o que o Senhor nos pede em cada estação da vida, acrescenta: “Eu mesmo posso dar testemunho de que recebi a chamada para me tornar Bispo de Roma quando tinha chegado, por assim dizer, à idade da aposentação e imaginava que já não podia fazer muito de novo. O Senhor está sempre junto de nós – sempre – com novos convites, com novas palavras, com a sua consolação, mas está sempre junto de nós. Como sabeis, o Senhor é eterno e nunca vai para a reforma. Nunca”.

E no contexto do mandato que o Senhor nos deu de ir e ensinar, o Papa lembra aos idosos que a sua vocação “é salvaguardar as raízes, transmitir a fé aos jovens e cuidar dos pequeninos. Atenção! Qual é a nossa vocação hoje, na nossa idade? Salvaguardar as raízes, transmitir a fé aos jovens e cuidar dos pequeninos. Não vos esqueçais disto. Não importa quantos anos tens, se ainda trabalhas ou não, se ficaste sozinho ou tens uma família, se te tornaste avó ou avô ainda relativamente jovem ou já avançado nos anos, se ainda és autónomo ou precisas de ser assistido, porque não existe uma idade para aposentar-se da tarefa de anunciar o Evangelho, da tarefa de transmitir as tradições aos netos. É preciso pôr-se a caminho e, sobretudo, sair de si mesmo para empreender algo de novo”. Há “uma renovada vocação, também para ti, num momento crucial da história. Perguntar-te-ás: Mas, como é possível? As minhas energias vão-se exaurindo e não creio que possa ainda fazer muito. Como posso começar a comportar-me de maneira diferente, quando o hábito se tornou a regra da minha existência? Como posso dedicar-me a quem é mais pobre, se já tenho tantas preocupações com a minha família? Como posso alongar o meu olhar, se não me é permitido sequer sair da residência onde vivo? Não é um fardo já demasiado pesado a minha solidão? Quantos de vós se interrogam: Não é um fardo já demasiado pesado a minha solidão? O próprio Jesus ouviu Nicodemos dirigir-Lhe uma pergunta deste tipo: «Como pode um homem nascer, sendo velho?» (Jo 3, 4). Isso é possível – responde o Senhor –, abrindo o próprio coração à obra do Espírito Santo, que sopra onde quer. Com a liberdade que tem, o Espírito Santo move-Se por toda a parte e faz aquilo que quer”.

Repetindo que ninguém se salva sozinho e que desta crise jamais sairemos iguais, o Papa diz a cada avó, avô, idoso ou idosa, que cada um é necessário “para se construir, na fraternidade e na amizade social, o mundo de amanhã”, todos devemos ser «parte ativa na reabilitação e apoio das sociedades feridas». E apresenta três de entre vários pilares que os idosos deverão sustentar nesta nova construção: “os sonhos, a memória e a oração”.

Recordando a passagem bíblica de Joel: «Os vossos anciãos terão sonhos e os jovens terão visões», Francisco diz que “o futuro do mundo está nesta aliança entre os jovens e os idosos. Quem, senão os jovens, pode agarrar os sonhos dos idosos e levá-los por diante? Mas, para isso, é necessário continuar a sonhar: nos nossos sonhos de justiça, de paz, de solidariedade reside a possibilidade de os nossos jovens terem novas visões e, juntos, construirmos o futuro. É preciso que testemunhes, também tu, a possibilidade de se sair renovado duma experiência dolorosa. E tenho a certeza de que não será a única, pois, na tua vida, terás tido tantas e sempre conseguiste triunfar delas. E, dessa experiência que tens, aprende como sair da provação atual. Nisto se vê como os sonhos estão entrelaçados com a memória. Penso como pode ser de grande valor a memória dolorosa da guerra, e quanto podem as novas gerações aprender dela a respeito do valor da paz. E, a transmitir isto, és tu que viveste a tribulação das guerras. Recordar é uma missão verdadeira e própria de cada idoso: conservar na memória e levar a memória aos outros”. E volta à sua vivência pessoal: “Penso também nos meus avós e naqueles de vós que tiveram de emigrar e sabem quanto custa deixar a própria casa, como fazem muitos ainda hoje à procura dum futuro. Talvez tenhamos algum deles ao nosso lado a cuidar de nós. Esta memória pode ajudar a construir um mundo mais humano, mais acolhedor. Mas, sem a memória, não se pode construir; sem alicerces, tu nunca construirás uma casa. Nunca. E os alicerces da vida estão na memória”. Aliada aos sonhos e à memória, está a oração, afirma Francisco: “A tua oração é um recurso preciosíssimo: é um pulmão de que não se podem privar a Igreja e o mundo. Sobretudo neste tempo tão difícil para a humanidade em que estamos – todos na mesma barca – a atravessar o mar tempestuoso da pandemia, a tua intercessão pelo mundo e pela Igreja não é vã, mas indica a todos a serena confiança de um porto seguro.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter