Sem redes, Anzóis, Fisgas, Setas ou Arpões

Sem redes, Anzóis, Fisgas, Setas ou Arpões
Dom Antonino Dias

Só com as armas do bem, da palavra, do testemunho e da ação. A palavra é o meio por excelência de comunicação humana. Não para esfarrapar os outros com críticas viperinas, mas para nos dizermos e nos fazermos entender como irmãos, mesmo sabendo que é pela boca que morre o peixe. Quando, porém, a palavra mexe connosco, tende-se a fechar os ouvidos. Escutá-la, prestar-lhe atenção, implica consequências nem sempre fáceis, muito menos cómodas. O mesmo se passa em relação à Palavra de Deus que tantas vezes corta a desmanchar prazeres, projetos e rotinas tranquilizadoras, mesmo que lícitas.

Há mais de dois mil anos, Jesus, nas margens do mar da Galileia, entabulou conversa com uns pescadores, que, ao longo dos tempos, artistas há que os têm pintado como se de pessoas idosas se tratasse, barbudas e carecas. E nada há que nos leve a crer que de facto o fossem. Não prova nada, mas Jesus até se dirige a eles chamando-os de rapazes: “Rapazes, tendes aí alguma coisa de comer?” E os rapazes não tinham mesmo nada para comer! Sentiam-se pescadores de mãos a abanar após uma noite de pesca sem qualquer resultado. Os peixes tinham ido ao futebol ou saído para experimentar algum passadiço lá por aquelas bandas. E se tais pescadores, ao romper da manhã, ficaram muito surpreendidos por Jesus lhes ter aparecido nas margens do mar, não ficaram menos estranhos quando Jesus lhes ordenou que arremessassem as redes para o outro lado do barco (Jo 21, 1-19). Algo incrédulos, talvez a esboçar um sorriso irónico à espera do fracasso desta ordem do Mestre, aceitaram o repto. Pelo sim, pelo não, lá obedeceram a Jesus, lançaram as redes para o outro lado do barco. E contra toda a lógica e sabedoria deles (o seu know-how, como gente fina costuma dizer), deu-se o impensável, a pescaria encheu o barco, fez arregalar os olhos aos pescadores que tiveram de meter a viola ao saco e corrigir a sua incredulidade. Entretanto, ainda boquiabertos perante este acontecimento tão extraordinário, Jesus vai mais longe, desafia-os a serem antes ‘pescadores de homens’, mas sem redes, anzóis, fisgas, setas ou arpões. Se pescar no mar, apesar de ser a sua profissão, e terem muita experiência nessa arte, era difícil, esta pesca para a qual Jesus agora os convida não iria ser mais fácil. Apesar disso, e exigindo outro saber, outras técnicas e apetrechos, eles não hesitaram, deixaram as redes e o barco, deixaram o seu trabalho e seguranças e lançaram-se nessa feliz aventura de seguir Jesus, dispostos a enfrentar as mais felizes e as mais duras consequências desse seguimento. Preparados na escola e na convivência de Jesus, sentiram-se atraídos com o seu jeito, a sua palavra, a sua ação, a sua liberdade e o seu amor, e acabaram por dar a vida pela sua pessoa, por tudo quanto dele tinham ouvido e por tudo quanto tinham visto acontecer, nunca tinham visto coisa assim. Colocaram-se, tal como Jesus, com toda a sua energia e entusiasmo ao serviço da implantação do Reino de Deus na história, esperando a vitória do bem, da justiça, da igualdade e do respeito por todos, sem distinção. Confiantes na promessa de Jesus de que estaria com eles para os ajudar a enfrentar as tempestades e as adversidades neste mar-mundo, partiram, sem medo, com muita esperança e entusiasmo, mesmo quando no horizonte da missão faiscava a perseguição e a morte. Ao longo dos tempos, Jesus jamais deixou de estabelecer conversa com os jovens, rapazes e raparigas, convidando-os a segui-lo com alegria e esperança. E para quê? Para os enviar em seu nome à faina neste mar-mundo, sempre em rebuliço e tumultuoso, a sacudir o barco que é a sua própria Igreja.

À proposta de Jesus, é possível que as redes, o barco e os projetos pessoais de alguns a quem Jesus convida, sejam empecilho, os impeçam dessa decisão, de correr riscos, de se lançarem ao largo e irem mais além, preferindo continuar presos ao seu tudo, passando a vida acomodados e a remendar as redes nas areias movediças da sua praia.

Sabemos que pelo batismo todos somos consagrados e chamados à santidade (cf. LG39-42). Mas há pessoas cristãs que, mais atentas à ação do Espírito e cada uma com a sua história, se sentem chamadas a uma consagração especial, tendo como modelo e inspiração o próprio Jesus, pobre, casto e obediente (cf. LG 43-47). São jovens, rapazes e raparigas, adultos e casais que deixam as suas redes, os seus barcos, os seus projetos pessoais, para se consagrarem à causa evangélica, ao serviço missionário e apostólico, quer no ministério ordenado, quer na vida consagrada religiosa ou laical, quer na oração em mosteiros, abadias e conventos, quer confundidas com a sociedade. São uma força viva e atuante no tecido social e eclesial, agindo como fermento e sal, como luz. São homens e mulheres que, com a sua vida e ação, testemunham o amor misericordioso de Deus no mundo, em parlamentos e auditórios, em escolas, colégios e universidades, em aldeias, vilas e cidades, no trabalho, no desporto e no convívio, junto de crianças, jovens e adultos, de refugiados, migrantes e deserdados de sorte, em ambientes de pobreza, de guerra e de paz…

Em qualquer vocação cristã, o Senhor chama a si aquelas pessoas que entende para estarem com Ele e as enviar em seu nome. É um inefável diálogo entre o amor de Deus que chama e a liberdade da pessoa que no amor responde a Deus (cf. PdV36). Depois de uma semana vivida nesse contexto, vamos viver o Dia Mundial de Oração pelas Vocações de especial consagração, em Dia do Bom Pastor. Como nos pede a Igreja, cada comunidade cristã, cada família, através da oração pessoal e comunitária, através da escuta, do silêncio e da ação pastoral que sabe animar e propor, é desafiada a criar o espaço ideal para que cada um dos seus membros possa discernir o projeto de vida, pessoal e irrepetível, que o Pai lhe confia.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter