Proença-a-Nova: AIGPs do concelho formalmente criadas

 Proença-a-Nova: AIGPs do concelho formalmente criadas

Estão formalmente criadas as quatro Áreas Integradas de Gestão da Paisagem (AIGP) do concelho de Proença-a-Nova. Os contratos foram ontem, 19 de julho, assinados, na Pampilhosa da Serra, com a Direção-Geral do Território, o Fundo Ambiental e o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas.

No caso de Proença-a-Nova, os contratos-programa, assinados por João Lobo, em representação da Câmara Municipal, referem-se a quatro AIGPs (Corgas, Fórneas, Penafalcão e de Alvito da Beira) que vão ser constituídas em áreas que foram consumidas pelos incêndios de 2020.

“Considero este momento histórico pois, pela primeira vez, temos ferramentas de apoio financeiro público para gestão de espaço privado em que nos implica a todos para, no médio e longo prazo, termos de facto a floresta que queremos”

afirma João Lobo, Presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova

 A AIGP de Corgas, com 1.385,39 hectares, abrange os aglomerados populacionais de Corgas, Fatelo e Malhadal; a AIGP de Fórneas, com 1.972,09 hectares, abrange as Fórneas, uma parte do aglomerado do Esfrega, Herdade, Dáspera e Mó; a AIGP de Penafalcão, com 1.703,85 hectares, abrange a Pedreira, Casanova, Fróia, Portoleiros, Ribeiro de Gomes, Oliveiras, Penafalcão, Pedras Brancas, uma parte de Cunqueiros e uma parte de Alvito da Beira; e a AIGP de Alvito da Beira, com 2.096,14 hectares em Alvito da Beira, abrange uma parte do aglomerado do Esfrega, Sobrainho dos Gaios, Travesso e uma parte de Cunqueiros.

A cerimónia contou com a presença do Primeiro-Ministro, António Costa, do Ministro do Ambiente e da Ação Climática, Matos Fernandes, e do Secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, João Paulo Catarino.

Para António Costa “o objetivo não é financiar a recuperação da área ardida é financiar a transformação da área ardida para que não volte a arder.”

Estas áreas serão geridas por um período de 25 anos de acordo com um modelo que irá potenciar intervenções de fomento da agricultura e da pastorícia da responsabilidade de uma entidade gestora e suportada por um programa multifundos de longo prazo que disponibiliza apoios ao investimento inicial, às ações de manutenção e gestão ao longo do tempo e à remuneração dos serviços dos ecossistemas.

Na total foram assinados 47 contratos programa. Na região concelhos como Vila de Rei, Oleiros e Mação também assinaram o contrato para a constituição de respetivas AIGPs.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter