Oleiros: Câmara defende investimento na proteção individual dos bombeiros

Oleiros: Câmara defende investimento na proteção individual dos bombeiros

O Município de Oleiros, assim como a corporação dos Bombeiros Voluntários do Concelho, espera que o protótipo concebido pelo Instituto da Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial (INEGI) para monitorizar a saúde dos bombeiros possa continuar a ser aperfeiçoado para ser utilizado na monitorização destes profissionais em situação de combate ao fogo na floresta.

O protótipo foi mostrado pela primeira vez ao público por dois alunos bolseiros do INEGI, Tatiana Teixeira e Pedro Prata, este último com origens familiares na freguesia de Álvaro, no passado sábado, dia 10 de dezembro, no Pavilhão Multiusos das Devesas Altas, em Oleiros.

Num território que infelizmente é fustigado ciclicamente por grandes incêndios não poderíamos deixar de estar na linha da frente daquilo que nos parece ser um projeto inovador, que irá, acredito, revelar-se de uma grande utilidade para os nossos bombeiros. Daí a nossa disponibilidade em apoiar, do ponto de vista logístico, no desenvolvimento de estudos que ainda são necessários”

explicou Miguel Marques, Vice-presidente da Câmara Municipal de Oleiros

Num cenário de combate a incêndio “o sistema pode gerar alertas que indicam que determinado membro da corporação no terreno está num estado de exaustão física extremo, aconselhando o comandante a evacuá-lo”, explicou o professor Mário Vaz, investigador responsável pelo projeto no INEGI.

Os alertas são gerados “com base em categorias de esforço pré-estabelecidas, que definem os vários níveis de fadiga, e em conformidade com parâmetros normativos”.

Este dispositivo está em desenvolvimento desde 2018, com financiamento total da Fundação para a Ciência e Tecnologia até ao final deste ano.

A Secretária de Estado da Proteção Civil, Patrícia Gaspar, que não esteve presente, como anunciado, na abertura dos trabalhos por compromissos já assumidos, enviou um vídeo no qual lembrou que desde 2013 “17 bombeiros morreram em incêndios e mais de 1500 ficaram feridos”. Mais à frente alertou que, face às alterações climáticas, “sabemos que teremos verões cada vez mais quentes. Quanto aos incêndios, estes tipos de fenómenos vão assumir características cada vez mais complexas e com desafios cada vez mais expressivos. Só mesmo o esforço, permanente e contínuo é que irá garantir que consigamos todos atuar pelas regras da segurança”.

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Oleiros, Luís Antunes, partilhou a mesma disponibilidade que até aqui a corporação mostrou na testagem do dispositivo.

“É sempre muito gratificante para qualquer comandante poder participar com aquilo que tenha a ver com o reforço de proteção para os operacionais. Mesmo sendo esta uma corporação de pequenas dimensões foi um orgulho muito grande participar no desenvolvimento deste projeto e nos estudos que ainda não terminaram”

sublinhou

Luís Antunes destacou a importância deste tipo de sistemas de dispositivos de monitorização de bombeiros “porque no teatro de operações, no combate a incêndios tão difíceis como os que temos enfrentado, eles chegam ao estado de exaustão sem se aperceberem”, terminou.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter