Incêndios: Dispositivo de combate 2021 apresentado em Proença-a-Nova

Incêndios: Dispositivo de combate 2021 apresentado em Proença-a-Nova

Foi apresentado em Proença-a-Nova, no Aeródromo Municipal a 13 de Maio, o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR 2021). Um dispositivo que segundo André Fernandes, Comandante Nacional de Emergência e Proteção Civil, tem um reforço “com mais de cerca de 200 operacionais na fase mais critica”.

“Aqui ressalvo o reforço de nível IV que decorre de 1 de julho a 30 de setembro com a disponibilidade de 2.795 equipas, num total de 12.058 operacionais”

afirma o Comandante Nacional

Além do referido reforço, André Fernandes destaca “a capacidade que tivemos de apostar e continuar a apostar e melhorar as nossas ferramentas de apoio à decisão operacional.”

Já Patrícia Gaspar, Secretária de Estado da Proteção Civil, refere que este dispositivo está “perfeitamente adequado ao que é a realidade normal dos incêndios rurais do nosso país”. Contudo a governante garante que este dispositivo poderá ainda ser reforçado.

“Este é um dispositivo permanente o que não significa que não possa ser reforçado em períodos de maior complexidade.”

garante Patrícia Gaspar

Apesar do reforço no combate, a Secretário de Estado refere que a prevenção é um trabalho que todos deve incluir. “Este é um trabalho de fundo que tem de ser feito com todos os parceiros do setor com todas as entidades e sobretudo também com todos os cidadãos porque eu não consigo ter um bombeiro atrás de cada português. Temos que modificar comportamentos temos que adaptar a nosso conduta à área florestal, temos que garantir, sobretudo no período de verão, que os nossos comportamentos são os adequados.”

No total o DECIR 2021 contará com 12.058 elementos, 2.795 equipas e 2.656 viaturas durante o período de maior empenhamento, entre 01 de julho e 30 de setembro, denominado Nível IV, num aumento de cerca de 2% em relação a 2020.

Nos meses mais críticos em incêndios rurais vão estar envolvidos na componente de combate e ataque inicial efetivos dos corpos de bombeiros (5.777), da Força Especial de Proteção Civil da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil – ANEPC (240), da Unidade de Emergência de Proteção e Socorro da GNR (1.144) e das Brigadas de Sapadores Florestais do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas – ICNF (232), num total de 7.393 elementos.

Na componente de vigilância e ataque inicial, o DECIR integra um total de 4.665 elementos divididos pelo Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR (1.952), Polícia de Segurança Pública (338), Sapadores Florestais (1.807), Corpo Nacional de Agentes Florestais (203), Vigilantes da Natureza (89), Equipas de Gestão de Fogos Rurais (36) do ICNF e Afocelca (240).

Das Forças Armadas 190 elementos vão prestar também apoio nessas duas componentes, enquanto agentes de proteção civil.

Em relação ao dispositivo aéreo, o DECIR 2021 contará com 14 meios aéreos em permanência, que aumentam para 37 aparelhos entre 15 a 31 de maio, e para 60 entre 01 de junho e 15 de outubro. Quarenta e um meios aéreos estarão disponíveis entre 16 e 31 de outubro.

O primeiro reforço de meios no âmbito do DECIR aconteceu já no passado sábado, 15 de maio.

O combate aos incêndios rurais vai contar este ano com um novo instrumento para melhorar a coordenação entre as entidades envolvidas na deteção e vigilância dos fogos, denominada Diretiva Integrada de Deteção e Vigilância de Incêndios Rurais que vai ficar na tutela da Guarda Nacional Republicana.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter