AS ALMINHAS – UM PATRIMÓNIO A NÃO ESQUECER

AS ALMINHAS – UM PATRIMÓNIO A NÃO ESQUECER
Dom Antonino Dias, bispo de Portalegre-Castelo Branco

Estamos em novembro, um mês que a tradição cristã dedica, de forma muito especial, a uma mais viva comunhão com os que partiram. Hoje vou tornar presente um património interessante, fruto dessa devoção do povo. As pessoas dedicadas à investigação sempre querem saber qual a sua origem. Assim, aventam-se várias hipóteses acerca das origens mais remotas das Alminhas que salpicam grande parte do nosso território, não só, mas sobretudo a norte do país. Embora todas as hipóteses sejam plausíveis e sejam de trazer à baila, o seu adn não dá certezas, como é evidente. São hipóteses, embora, algumas dessas hipóteses, possam ter ou tenham como fundamento o sentimento religioso que o homem sempre teve e é incapaz de apagar dentro de si.

Deixando essas questões bem pertinentes para quem gosta de investigar, há quem afirme que as Alminhas são uma criação bem portuguesa. A sua multiplicação, bem como a multiplicação das Confrarias das Almas e dos altares das almas em igrejas, deu-se sobretudo a partir do Concílio de Trento. A Igreja crê e ensina que os eleitos são purificados das consequências pessoais de todas as suas culpas antes de serem acolhidos definitivamente na intimidade de Deus. A esse estado de purificação é que a Igreja chama Purgatório. E a nós, os vivos, é-nos pedido o sentimento de gratidão, de caridade e de justiça, de rezar pelos fiéis defuntos para que Deus tenha misericórdia deles, os purifique na sua caridade e os introduza no seu Reino de luz e vida.

A piedade popular, que, como sabemos, é “caraterizada por uma grande variedade e riqueza de expressões corporais, gestuais e simbólicas”, logo se manifestou também “muito atenta à memória dos defuntos e solícita em sufragá-los com orações”. Expressões dessa forma de fazer memória e de convidar à oração de sufrágio são, de facto, as Alminhas, que, embora aqui ou ali estejam esquecidas e a perderem-se – o que é pena! -, constituem um verdadeiro património de religiosidade popular, quer construídas por iniciativa das comunidades cristãs locais quer pela devoção e imaginação de particulares. Regra geral mostram-se em sítios de passagem para serem vistas e cumprirem a sua função: levar os vivos a encontrarem-se com Deus e a rezar pelas benditas almas do Purgatório, sem esquecerem que também são peregrinos a caminho dessa eternidade em Deus.

E quem, do norte, não guarda essa feliz memória das Alminhas, com flores ou sem flores, altaneiras ou encrustadas em paredes, no meio de lugares ou nas encruzilhadas de caminhos, com lampadário ou vela acesa, ou não, com figuras em painel de azulejos, em pequenos retábulos ou telas, mais rústicas ou mais sofisticadas, mas sempre a lembrar ao transeunte a necessidade delas se lembrar e por elas rezar um Pai Nosso e uma Ave Maria ou o que a sua devoção lhe pudesse ditar? E quem não conserva na memória aquela pessoa que sempre parava para rezar, a outra que ao passar tirava a boina ou o chapéu, a outra que fazia uma pausa, uma vénia ou até uma genuflexão? E aquela outra que as cuidava como se de catedrais populares se tratasse e ficava triste como a noite quando os amigos do alheio as arrombavam, profanavam e roubavam? E quem, sendo criança e tudo isto presenciava e vivia, não assimilava a mensagem que estas pessoas faziam passar com testemunho tão simples quão significativo?!…

Em paróquias por onde passei a paroquiar, havia Alminhas e muita devoção às Almas do Purgatório promovida pelas respetivas Confrarias, sendo uma boa oportunidade para congregar e evangelizar. Não raro, porém, perante algumas incoerências no modo de estar e viver, embora seja um santo e salutar pensamento rezar pelos mortos para que sejam perdoados de seus pecados, havia necessidade de alertar para que não se reduzisse a vivência da fé e a pertença à Igreja apenas a rezar pelos mortos, andando aos encontrões aos vivos!…

Hoje digo o mesmo! Encontramos gente que só participa na Eucaristia, mesmo ao Domingo, quando a intenção é rezar pelos mortos. Sobretudo pelos seus mortos. E tantas vezes se esquece de rezar pelos vivos, pelos seus inclusive. Não se sentem motivados para ajudar os seus a viverem cristãmente, antes pelo contrário, desajudam-se mutuamente e faz-se da Igreja uma espécie de instância fúnebre de encomendação das almas. Dá a impressão que estão à espera que os seus familiares morram para depois rezar por eles. Enquanto podem e devem fazer alguma coisa para os ajudar à conversão, a viver e a morrer cristãmente, nada ou pouco fazem. Embora compreenda alguns argumentos, até me parece pouco pedagógico a marcação de muitas intenções nas missas ao Domingo só para ter mais gente nas igrejas…

A par das Alminhas, há outros pequenos nichos a quem, por vezes, até se dá também o nome de Alminhas, embora tenham como titular um Santo. São nichos, edículas, capelinhas em honra do Coração de Jesus, de Nossa Senhora ou de Santos, são cruzeiros, são estações da Via Sacra, são quadros dos Passos do Senhor, são padrões….

Muitas paróquias zelam muito bem este património, cuidam-no e promovem o seu verdadeiro sentido e valor cristão.

Para si... Sugerimos também...

Subscreva a nossa newsletter