Roda: Içar o mastro

Roda: Içar o mastro

Roda, aldeia da freguesia de Cardigos e do concelho de Mação, cumpriu, no dia 27 de Agosto, a tradição de “içar o mastro” ou na versão popular de duplo sentido “levantamento do pau”.

A tradição é antiga e também realizada noutras aldeias da freguesia de Cardigos como na Lameirancha e nos Casais de São Bento. Todavia, é na aldeia de Roda que esta tradição tem um impacto maior dado que a participação comunitária é maior. Em 2022, duas centenas de convivas participaram na sardinhada.

Os antigos afirmam que a esta tradição começou durante a peste que terá assolado toda a freguesia com excepção das aldeias da Roda e Casalinho que se tinham encomendado à Santíssima Trindade, prometendo celebrar uma missa para que ficassem livres da epidemia.

Na segunda-feira a seguir ao domingo de Pentecostes, na Capela do Espírito Santo em Cardigos, é celebrada a missa e é levantado um mastro que tem um galo em chapa, com a data de 1879, na sua extremidade mais alta.

No ritual do levantamento do mastro, manda a tradição que a primeira etapa seja rezar uma oração em louvor de Santo António para que ninguém fique magoado nas manobras do içar do mastro, após a qual se ergue o mastro. Mastro erguido, é rezado um pai-nosso e uma avé-maria a S. Sebastião solicitando o “livramento” da “peste, da fome e da guerra.” Cerimonial concluído, é “obrigatório” comer tremoços e deglutir um “copinho”…Na verdade, o que já se perdeu na memória dos povos é que a tradição é muito anterior ao século XIX e vem desde a Idade Média, assim como a ladainha: “Da fome, da peste e da guerra, livrai-nos Senhor!” (Tratava-se das aflições da crise alimentar, da Peste Negra e da Guerra dos 100 anos, no século XIV. Foi também nessa época que apareceu a “Salvé-Rainha”.)

Em outras regiões e supomos que aqui também embora as pessoas não tenham disso consciência, o levantamento do mastro estava ainda relacionado com a virilidade masculina que era solicitada com o “levantamento do pau” e o galo, lá no cimo, tem esse significado. Tal como o galo é macho único na capoeira e “assiste” todas as fêmeas, assim se invocava um vigor sexual semelhante para os homens da aldeia com o objectivo de se perpetuar a comunidade.” (Créditos fotográficos da página facebook ALDEIA-RODA, de 001 a 003 e do Arquivo de AMS reportando 2016, de 004 a 012.)

Junta De Freguesia De Cardigos

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter