Proença-a-Nova: Exposição assinala 10 anos de Campo Arqueológico

Proença-a-Nova: Exposição assinala 10 anos de Campo Arqueológico

Foi inaugurada na passada sexta-feira, 8 de Julho, no Posto de Turismo, a Exposição que marca os 10 anos do Campo Arqueológico do Concelho de Proença-a-Nova. A inauguração que mostra o resultado dos trabalhos dos últimos anos contou com os atuais participantes do Campo.

João Lobo, presidente da Câmara Municipal, afirmou que além de mostrar o trabalho dos últimos 10 anos a exposição conta a história daquilo que foi a presença humana nestes territórios.

“Este acervo que aqui está, e de acordo com o protocolo que já firmamos com a Direção Regional de Cultura do Centro traduzirá para a futura Casa da Memória e das Artes uma outra amplificação daquele que é este trabalho e o seu valor arqueológico”.

referiu o autarca

Depois de recordar que o concelho é destino de turismo militar devido ao trabalho desenvolvido ao longo dos anos no Campo Arqueológico, João Lobo não têm dúvidas que “territórios como os de Proença-a-Nova contribuem também para essa rede que se começa a traduzir naquilo que é a condição de percorrer os vários territórios e tirar partido daquilo que foi a presença humana, a defesa desse mesmo território e assim traduzirmos também na atividade turística e a criação de valor”.

Também presente na inauguração esteve João Caninas, director do Campo que começou por explicar que a exposição era “de uma forma muito sintética o resultado de exatamente dez anos de trabalhos arqueológicos em cerca de doze sítios arqueológicos de diferentes épocas e diferentes tipos de trabalho”. O responsável afirmou ainda que o caso de Proença “é de um projeto que é um projeto exemplar”.

“Não é apenas um projeto de investigação, é um projeto de investigação sim, mas também de formação de recuperação do património e valorização do património público”.

assinalou

Contudo João Caninas deixa um alerta visto que “o município tem esse patrimoniado mas há municípios na Beira Baixa que tem muito mais património e que não fazem um décimo por este património para a sua valorização e é uma valorização que corre contra o tempo. Se não os estudamos agora daqui a 20 anos se calhar alguns já não existem. Há também alguma urgência em fazer este trabalho”.

Em dez anos no Campo Arqueológico já participaram cerca de 200 pessoas de 20 países diferentes. A exposição pode ser vista até Setembro no Posto de Turismo de Proença-a-Nova.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter