Poupar luz em casa: truques para pagar menos na fatura

Poupar luz em casa: truques para pagar menos na fatura

Os contínuos aumentos do preço da eletricidade têm-se tornado um fator de incerteza. A utilização de comparadores de tarifas ou portais de informações especializadas como o da Selectra, difundiu-se ainda mais num contexto em que a poupança se torna cada vez mais um objetivo primário na economia doméstica.

Mas que tipo de medidas podem ser tomadas para mitigar os efeitos da subida dos preços da energia a longo prazo? Neste artigo, partilhamos uma seleção de dicas que ajudarão a minimizar o valor mensal da sua fatura.

Dicas para reduzir o consumo de energia

  1. Priorize aparelhos elétricos eficientes

Ainda que, a priori, um preço de venda reduzido possa ser detectado como uma oportunidade de poupar, nem sempre é assim. Pelo menos não a longo prazo. Alguns aparelhos com preços de venda acessíveis não possuem a etiqueta de eficiência energética, o que significa que, à medida que são utilizados, irão gerar mais consumo e, consequentemente, um custo energético mais elevado. Procurar soluções eficientes e preparadas para poupar, pode-se traduzir em oportunidades de redução de custos.

  •  Adote hábitos de consumo orientados para a poupança

Existem fatores que podem fazer flutuar o valor da conta de eletricidade e que vão além de escolher o melhor fornecedor de energia, um bom preço de kWh ou comprar aparelhos eficientes. O nosso dia a dia tem impacto direto no limite de consumo e pode fazer a diferença. Escolher programar a lavagem da roupa a baixas temperaturas ajuda a minimizar o volume de energia consumido pela nossa máquina de lavar.

Também reduzir o seu uso apenas para aqueles casos em que a sua capacidade de carga foi atingida. Além disso, desligar a placa vitrocerâmica antes de terminar a cozedura e aproveitar o efeito do calor residual, bem como evitar a abertura do forno para evitar possíveis fugas de temperatura, pode ajudar a reduzir o consumo desnecessário e, a longo prazo, ser uma excelente forma de poupar.

Da mesma forma, tentar armazenar uma quantidade maior de alimentos dentro da geladeira pode ter um impacto positivo, pois ajuda a reter o frio. A presença de alimentos frios pode ajudar a minimizar os recursos que o sistema deve investir para manter uma temperatura constante.

Da mesma forma, tentar armazenar uma quantidade maior de alimentos dentro do frigorífico pode ter um impacto positivo, pois ajuda a reter o frio. A presença de alimentos frios pode ajudar a minimizar os recursos que o sistema deve acionar para manter uma temperatura constante.

  • Usar lâmpadas LED

O seu preço de venda é um pouco mais caro que o das lâmpadas convencionais, mas em termos de consumo é 80% menor. Além disso, e por outro lado, têm uma vida útil entre oito e dez vezes maior que as soluções halógenas.

  • Integrar complementos e recursos para minimizar o consumo de eletricidade

Atualmente, é possível aceder a diferentes soluções e mecanismos para melhorar o controlo sobre o consumo dos nossos aparelhos elétricos e eletrónicos. Por exemplo, no mercado podemos encontrar soluções como tomadas inteligentes.

A partir da instalação é possível controlar o fornecimento de energia ativando ou desativando a partir de um comando ou aplicação móvel. Um dos seus principais benefícios é que permite evitar o consumo de eletricidade enquanto os dispositivos estão no “stand by”.

Além disso, também permitem a sua programação para que só possam ser usados ​​quando realmente forem necessários, o que pode resultar numa fonte de poupança a longo prazo. Na mesma linha, também podemos encontrar uma grande variedade de termostatos. A partir da sua instalação é possível regular a temperatura em diferentes espaços e pontos da casa. Ao longo do tempo foram adquirindo novas funcionalidades e a sua utilização poderá implicar um controlo mais rigoroso do consumo de energia que ocorre em cada divisão e em cada período horário.

  • O teletrabalho e a poupança de energia

Desde o início da pandemia do coronavírus, o teletrabalho cresceu consideravelmente. Grande parte das empresas e organizações de todo o mundo tiveram que direcionar os seus trabalhadores a realizar tarefas a partir de casa.

Atualmente, muitas pessoas continuam a trabalhar em casa, e apesar do teletrabalho oferecer muitas vantagens, isto pode gerar um gasto adicional na conta de energia. Como evitar gastar energia se estamos a trabalhar em casa?

  • Tal como já dissemos, a luz natural vai ser a sua principal aliada. Havendo muita luz natural, deve-se evitar a tendência de ligar luzes por tudo e por nada.
  • Abrigue-se bem. Com o cair das temperaturas, é normal que se recorra mais aos elementos de aquecimento, mas saiba que é o principalmente elemento que gera mais energia. Portanto, se não quer ter uma surpresa, vista mais roupa, e evite ligar o aquecimento tantas vezes.
  • Agora que passa mais tempo em casa, pode optar por contratar uma tarifa bi-horária, onde geralmente tem a possibilidade de ter dois preços de energia: um para o dia e outro para à noite. Geralmente com esta tarifa, o preço da energia à noite é muito mais reduzido. Portanto, é uma boa opção, colocar as máquinas em funcionamento e utilizar mais energia à noite, após terminar a sua jornada de trabalho.
  • Configure o seu computador para trabalhar com o modo poupança de energia. Baixe a luminosidade do ecrã e apague-o quando tiver que se ausentar.

A poupança de energia em cada é um tema cada mais abordado na atualidade. A crise e as questões ambientais são os principais motivos que levam à redução do consumo.

De facto, e como já referido, é tudo uma questão de adoção de novos hábitos que por mais insignificantes que possam parecer farão muita diferença.

*Gonçalo Henriques dos Santos

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter