Os recursos humanos e a nova evangelização

Os recursos humanos e a nova evangelização

imagem retirada de https://irmashospitaleiras.pt

Dom Antonino Dias, bispo de Portalegre-Castelo Branco

Na passada semana, abordei quanto bem poderia acontecer nas nossas paróquias se as famílias cristãs se organizassem. Isto é, se não se fechassem em si mesmas e dessem as mãos para levar mais vida a outras famílias e às comunidades que tanto precisam de dinâmicas que as façam viver com alegria e esperança. Se todos reconhecemos a importância das famílias neste processo, hoje quero referir-me – com muita estima, aliás!-, a tanta gente que, se também desse uma mãozinha a essa causa, tudo seria bem diferente. Embora haja quem o poderia e possa fazer, – e muitos o fazem! -, hoje venho desafiar ou apelar a todos aqueles e aquelas que acrescentam aos seus estudos, preparação e saber, o testemunho da sua fé e a capacidade de intervir e gerar empatia, quer pelo seu humanismo e coerência de vida quer pela alegria com que vivem e ajudam a viver. Refiro-me a professores, gente do setor terciário e profissionais livres, gente com influência positiva nas comunidades. Atentos ao meio, serão os primeiros a reconhecer que as comunidades carecem de recursos humanos habilitados para lhes transmitir convenientemente a mensagem cristã. Também constatarão que, se há falta de formação cristã, também há quem gostaria de saber mais e de aceitar novos desafios. As próprias comunidades reconhecem e apontam a necessidade urgente de formação. No entanto, se se constata a falta de formação e as iniciativas de formação acontecem, as pessoas não correspondem, são poucas as que aparecem, e, se aparecem, são quase sempre as mesmas. Desta falta de formação ou de cultura da fé, surgem algumas atitudes. Por um lado, temos aqueles que, mesmo muito bem formados noutras áreas, adaptam a Igreja ao seu modo de pensar e estar na vida, afastam-se do culto, dizem-se não praticantes mas católicos. A Igreja torna-se, para eles, qualquer coisa que não faz parte deles, está fora deles. A ela recorrem como se recorre a uma repartição pública em busca de serviços vários, como festas, batizados, casamentos e funerais. Por outro lado, temos aqueles que querem culto, muito culto, é verdade, sobretudo culto e religiosidade popular. Sendo um valor a preservar e a purificar, se lhe falta a formação, pode degenerar em sentimentalismo estéril. E se há muita gente que aposta na formação pessoal, tem consciência de pertença à Igreja, vive integrado e cumpre em caminhada de conversão constante, outros poderá haver, que, embora muito cumpridores, se lhes falta a formação também podem meter os pés pelas mãos: de manhã são capazes de frequentar a igreja e o culto, de tarde, se lhes der na gana, procuram adivinhos, quiromantes, magos, bruxos, necromantes, como se tudo fosse igual a tudo. Se se pergunta a razão disto acontecer, facilmente se distribuem culpas, as causas, porém, são várias e complexas, afirmamo-lo sem querer julgar ninguém. Mas entre essas causas também está a falta de quem faça essa formação de maneira inteligente e atrativa, com método e capacidade de bem expor. Se as pessoas a quem hoje me dirijo, aposentadas ou não, tivessem o gosto desse voluntariado junto dos adultos das suas comunidades, como esse serviço marcaria a diferença! Até porque, se essas iniciativas de formação não surgirem dos leigos, torna-se difícil a sua implementação. E mesmo que, porventura, alguém reconhecesse que não tem formação aprofundada em conteúdos e pedagogia apropriada, tem experiência e traquejo verbal, tem capacidade de preparar os temas, tem a arte de bem os expor e transmitir, tem facilidade de gerar empatia e de aguçar o apetite dos participantes para mais saber. É certo que, sendo indispensável, nem sempre basta ter a capacidade de se preparar e ser bom comunicador. É importante perceber que, quando alguém fala ou ensina em nome de Cristo, é Cristo que fala ou ensina, e é Cristo que é falado ou ensinado. Não é momento para transmitir ideias pessoais, para inventar e ocupar o tempo de qualquer forma, ou para ideologizar os presentes, mas, tal como Cristo o fez, é tempo de os servir com humildade, amor e verdade: “Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós” (Jo 20, 21).

Sabemos como tanta gente animou e continua a animar a criação de Universidades Seniores, e bem, são um valor a fazer com que todos permaneçam em processo de formação permanente, com regularidade e tempos combinados. E por que não formar grupos semelhantes para a formação cristã de adultos? Inventem-se nomes para tais grupos, clubes ou academias que atraiam e não afastem. Muitíssima gente ficaria eternamente grata por essas iniciativas e serviço. Quem, para além da sua azáfama familiar e profissional, tivesse este gesto de bem fazer às suas comunidades e promovesse tais iniciativas, até descansaria nisso, sentir-se-ia bem consigo próprio, entraria naquele processo de igreja em saída a que o Papa Francisco tanto apela, ajudaria à nova evangelização com o seu saber, a sua paciência e dedicação. Há tanta coisa que os leigos podem e devem sugerir e fazer sem a presença de quem preside às comunidades, embora sempre em comunhão com eles. Que as comunidades cristãs, sem qualquer espécie de preconceito, estejam atentas a quem, de dentro delas mesmas, as possa fazer crescer em sabedoria e graça. Que essas pessoas oiçam os apelos, mesmo que silenciosos das comunidades, reconheçam quanto bem podem fazer aos outros e, por tabela, a si próprias, colaborando, sentindo-se mais úteis, pondo a render os seus talentos, conhecimento e saber. Que sintam o acolhimento, o apoio e o estímulo dos responsáveis e de toda a comunidade, distribuindo tarefas, confiando, ganhando confiança uns nos outros. Que ninguém esqueça: “em cada pegada de amor nascerá sempre uma flor de gratidão”. E é sempre um aliciante desafio ajudar a fazer de cada paróquia um verdadeiro jardim do qual todos se orgulhem, dele cuidem e usufruam, na certeza de que até um copo de água dado por amor não ficará sem recompensa (Mt 10, 42). Por isso, “se hoje ouvirdes a voz do Senhor, não fecheis o vosso coração” (Sl94/95). As comunidades cristãs merecem, precisam da vossa colaboração, e “quão formosos são os pés daqueles que anunciam o Evangelho” (Rom 10,15).

Para si... Sugerimos também...

Subscreva a nossa newsletter