Oleiros está a criar circuito concelhio de artesãos

Oleiros está a criar circuito concelhio de artesãos

O Município de Oleiros, convidado a participar da Feira Internacional do Artesanato, está a criar um “Centro de Artes e Ofícios” no concelho, sustentado num “circuito de visitas a várias formas de artesanato e artesãos”, anunciou o vereador Paulo Urbano ao secretário de Estado do Trabalho, Miguel Fontes que inaugurou, no sábado, dia 25, a 34ª edição da Feira Internacional de Artesanato (FIA) em Lisboa. “É um trabalho que já começou há algum tempo e vai continuar a valorizar os produtos de excelência do artesanato local, como trabalhos de artesão que se instalaram e outros que manifestam vontade em fixar-se nas várias freguesias de Oleiros“, explicou Paulo Urbano àquele membro do governo.

À entrada do certame, situa-se o stand de Oleiros, o Município Convidado da edição 2022 deste evento que promove a identidade e desenvolvimento dos territórios nacionais e estrangeiros. É ali que está Adélia Pires, tecedeira do Estreito com os seus tecidos de linho e que trabalha no tear ali colocado, Filomena Matias, que faz quadros de paus e pedras roladas da ribeira de Oleiros, Luís Pinheiro, que cria figuras da natureza com pedra e ferro, e por último Jorge Marques, escultor que utiliza o conceito de filigrana, utilizando arame, ferro e chapa.

O Secretário de Estado do Trabalho, Miguel Fontes, visitou e falou com cada um dos artesãos do stand do Município de Oleiros. O governante elogiou a “resiliência e a vontade” que os oleirenses demonstram em fazer do artesanato a sua profissão, contribuindo desta forma para a economia local. “Para além disto gostaria de destacar o bom trabalho na captação de artesãos de outras zonas do país para Oleiros, algo que fica facilitado com a disponibilização de instalações para o efeito, por parte da Câmara Municipal”. Prova disso é Luís Pinheiro, natural do norte do país que visitou Oleiros uma vez e que se mudou para este Concelho. Tem o seu ateliê na antiga escola primária, na Pisoria, instalações cedidas pela Câmara Municipal. Jorge Marquez é outro destes exemplos: natural de Lisboa mudou-se para o Orvalho, onde trabalha no Centro de Arte Manuais, espaço igualmente cedido pelo Município.

O piano em tamanho real de filigrana em ferro, construído por Jorge Marquez, está a ser o cenário de muitas “selfies” do público quando entra na porta principal da FIL. No domingo, o Rancho Folclórico e Etnográfico de Oleiros incorporou um alegre e vistoso desfile pelas FIA.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter