Distrito: Hospital de Castelo Branco contratou 19 médicos desde 2019 mas perdeu 18

Distrito: Hospital de Castelo Branco contratou 19 médicos desde 2019 mas perdeu 18

O Hospital Amato Lusitano (HAL) de Castelo Branco perdeu, nos últimos dois anos, 18 médicos, maioritariamente por aposentação, mas garantiu a contratação de 19, disse fonte hospitalar.

“Desde 2019, entraram no Hospital Amato Lusitano de Castelo Branco 19 médicos. No mesmo período de tempo, saíram 18 clínicos”

referiu o Conselho de Administração (CA) da Unidade Local de Saúde (ULSCB)

Em resposta a um conjunto de questões colocadas pela agência Lusa, o CA sublinhou que, no mesmo período, ingressaram na ULSCB “85 enfermeiros e saíram 25”. Em relação aos técnicos de diagnóstico, “registaram-se 36 ingressos e cinco saídas”.

“As principais razões para as perdas dos profissionais de saúde médicos são a aposentação e, infelizmente, o falecimento”

sustentou a mesma fonte

Já sobre as necessidades de profissionais, a ULSCB diz que a “situação é por demais conhecida”.

“Os mapas de pessoal das instituições, ao nível hospitalar e dos cuidados de saúde primários, devido às aposentações na classe médica, carecem de reforço de meios humanos, não sendo o nosso hospital exceção”

sublinhou

Sobre as dificuldades no recrutamento de clínicos, a ULSCB informou que “os médicos são contratados através de concurso público” e adiantou que a ULSCB reportou à tutela [Ministério da Saúde] “aquelas que entende possam ser as suas necessidades”.

No que diz respeito à classe de enfermagem e dos técnicos de diagnóstico, realçaram que, apesar de poder haver espaço para novos ingressos, “com o quadro atualmente existente, consegue-se responder às atuais necessidades”. “Enfermeiros e técnicos foram admitidos, durante a pandemia [covid-19], em número adequado àquelas que são as necessidades para o bom desempenho do serviço”.

A ULSCB sustentou que, “ainda que possa haver áreas nas quais se sentem maiores dificuldades, elas serão, com toda a certeza, comuns a todo o território nacional”.

Adiantou que o sentido ético e a competência dos profissionais “têm permitido garantir a melhor prestação de cuidados aos utentes, sempre numa ótica de rigor, segurança e humanização dos serviços”.

*Lusa

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter