Beira Interior: Associação de Produtores de Azeite prevê aumento de 40% face a 2020

Beira Interior: Associação de Produtores de Azeite prevê aumento de 40% face a 2020

A Associação de Produtores de Azeite da Beira Interior (APABI) prevê que a produção de azeite na campanha deste ano deverá registar um aumento de 40% em relação a 2020.

“Prevê-se um aumento de produção de azeite em relação à campanha passada. Este ano prevê-se, pelo menos, um aumento de produção de 40% e rendimentos melhores em relação ao ano anterior”

disse à agência Lusa Ana Domingos, responsável técnica da APABI, que tem sede em Castelo Branco.

Sobre a qualidade do azeite prevista para a produção da campanha de 2021/2022, a responsável indicou que, “até ao meado do mês [de outubro], a azeitona estava com boa qualidade, contudo, com a alteração das condições climatéricas (tempo instável) e o amadurecimento desta, [a situação] poderá trazer alguns problemas fitossanitários, principalmente em olivais não tratados”.

A APABI, que representa os interesses dos produtores de azeite dos distritos de Castelo Branco e da Guarda, e do concelho de Mação (distrito de Santarém), tem como objetivos principais “a dinamização e organização da fileira oleícola, o fomento da produção de azeites de qualidade superior e a promoção e divulgação dos azeites da região”.

Segundo Ana Domingos, o setor do azeite e da azeitona de conserva tem “uma extrema importância económica, ambiental e social” para a região da Beira Interior.

“Sendo uma tradição, a apanha da azeitona nesta região acaba por atrair pessoas, principalmente às aldeias, para ajudar os familiares ou para a colheita das suas próprias oliveiras, acabando, assim, por envolver outros agentes económicos da região, não só os lagares, como o comércio local e outras indústrias. A azeitona de conserva também tem um papel fundamental na região, uma vez que é valorizada com retorno a curto prazo”

justificou

De acordo com a responsável, a campanha de produção de azeite deste ano tem início nos prazos habituais, no entanto, aponta dificuldades dos produtores no recrutamento de mão de obra para a apanha da azeitona.

“Os principais problemas na nossa área de abrangência prendem-se, sobretudo, com a falta de mão de obra, principalmente na época da apanha, no envelhecimento da população que ainda mantém os olivais produtivos e, consequentemente, nos custos de produção associados ao olival tradicional, com baixo proveito e que são estes olivais que ainda predominam na região como explorações de minifúndio. (…) Contudo, existe a salvaguarda da mão de obra familiar”

disse à Lusa

Segundo a responsável técnica da APABI, a pandemia de covid-19 continua a ter efeitos no setor, “mas a comercialização do azeite tem vindo a melhorar”.

Já em relação ao funcionamento dos lagares, Ana Domingos explicou que, “como este ano é um ano produtivo a nível de quantidade de azeitona, os lagares que no ano passado não laboraram devido à pouca produção, aliado também ao covid-19, este ano estão a tentar reiniciar” a sua atividade.

A APABI é uma organização de produtores de azeite que engloba 42 lagares, que correspondem a uma representatividade de 7.000 olivicultores e 98 olivicultores a título individual.

A associação é a entidade gestora da Denominação de Origem Protegida (DOP) Azeites da Beira Interior (Azeite da Beira Alta e Azeite da Beira Baixa) e da Indicação Geográfica (IG) – Azeitona Galega da Beira Baixa.

*Lusa

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter