Serpente no céu capturada com telescópio ESO

Serpente no céu capturada com telescópio ESO

Uma miríade de estrelas é revelada por detrás do fraco brilho laranja da nebulosa Sh2-54 nesta nova imagem infravermelha. Localizado na constelação da Serpente, este impressionante viveiro estelar foi capturado em todos os seus intrincados detalhes usando o Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy (VISTA) localizado no Observatório Paranal do Observatório Europeui do Sul (ESO), no Chile.

Quando os antigos olhavam para o céu nocturno, viam padrões aleatórios nas estrelas. Os gregos, por exemplo, nomearam uma destas “constelações” Serpente, devido à sua semelhança com uma serpente. O que eles não teriam sido capazes de ver é que na extremidade da cauda desta constelação existe uma riqueza de objectos astronómicos espantosos. Estes incluem a Águia, o Ómega e a nebulosa Sh2-54; o último destes é revelado, sob uma nova luz, nesta espectacular imagem infravermelha.

As nebulosas são vastas nuvens de gás e poeira das quais nascem as estrelas. Os telescópios têm permitido aos astrónomos identificar e analisar estes objectos bastante ténues em requintados detalhes. A nebulosa aqui mostrada, localizada a cerca de 6000 anos-luz de distância, é oficialmente chamada Sh2-54; o “Sh” refere-se ao astrónomo americano Stewart Sharpless, que catalogou mais de 300 nebulosas na década de 1950.

À medida que a tecnologia utilizada para explorar o Universo avança, o mesmo acontece com a nossa compreensão destes viveiros estelares. Um destes avanços é a capacidade de olhar para além da luz que pode ser detectada pelos nossos olhos, tal como a luz infravermelha. Tal como a serpente, o homónimo desta nebulosa, desenvolveu a capacidade de sentir a luz infravermelha para melhor compreender o seu ambiente, também nós desenvolvemos instrumentos infravermelhos para aprender mais sobre o Universo.

Enquanto a luz visível é facilmente absorvida por nuvens de pó nas nebulosas, a luz infravermelha pode passar através das espessas camadas de pó quase desimpedidas. A imagem aqui revela, portanto, uma riqueza de estrelas escondidas atrás dos véus de poeira. Isto é particularmente útil, pois permite aos cientistas estudar o que acontece em viveiros estelares com muito mais detalhe, e assim aprender mais sobre como as estrelas se formam.

Esta imagem foi captada em luz infravermelha utilizando a sensível câmara de 67 milhões de pixels no telescópio VISTA do ESO no Observatório Paranal, no Chile. Este é um projecto plurianual que tem observado repetidamente uma grande parte da Via Láctea em comprimentos de onda infravermelhos, fornecendo dados chave para compreender a evolução estelar.

*Observatório Europeu do Sul

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter