NOVAS ARMADILHAS DA MISÉRIA E DA EXCLUSÃO

NOVAS ARMADILHAS DA MISÉRIA E DA EXCLUSÃO
Dom Antonino Dias, bispo de Portalegre-Castelo Branco

A pobreza e a exclusão social em Portugal têm muitos e variados rostos, desde a falta de recursos e de rendimentos para uma subsistência digna e sustentável, até ao não acesso a serviços básicos e à não participação em tomada de decisões. Uma coisa, porém, os pobres têm, além de outras, e ninguém lha pode tirar: é a dignidade de filhos de Deus. A Agenda global 2030 promete acabar com a pobreza em todas as suas vertentes sem esquecer quem quer que seja. Tal tarefa reclama verdadeiro sentido do bem comum, com pressa, competência, coragem e políticas acertivas em todos os setores da atividade humana.

Neste V Dia Mundial dos Pobres, o Papa, como sempre, não fala só para dentro da Igreja, fala para todas as pessoas de boa vontade e para quem tem a responsabilidade de promover o bem comum dos povos. Abordar a pobreza de forma nova e diferente é, segundo Francisco, “um desafio que os governos e as instituições mundiais precisam de perfilhar, com um modelo social clarividente, capaz de enfrentar as novas formas de pobreza que invadem o mundo e marcarão de maneira decisiva as próximas décadas. Se os pobres são colocados à margem, como se fossem os culpados da sua condição, então o próprio conceito de democracia é posto em crise e fracassa toda e qualquer política social. Com grande humildade, temos de confessar que muitas vezes não passamos de incompetentes a respeito dos pobres: fala-se deles em abstrato, fica-se pelas estatísticas e pensa-se sensibilizar com qualquer documentário”. E até parece “ganhar terreno a conceção segundo a qual os pobres não só são responsáveis pela sua condição, mas constituem também um peso intolerável para um sistema económico que coloca no centro o interesse dalgumas categorias privilegiadas. Um mercado que ignora ou discrimina os princípios éticos cria condições desumanas que se abatem sobre pessoas que já vivem em condições precárias. Deste modo assiste-se à criação incessante de armadilhas novas da miséria e da exclusão, produzidas por agentes económicos e financeiros sem escrúpulos, desprovidos de sentido humanitário e responsabilidade social”.

Francisco não deixa de acentuar a necessidade de processos de desenvolvimento onde se valorizem as capacidades de todos, e a complementaridade das competências e a diversidade das funções conduzam a um recurso comum de participação. “Há muitas pobrezas dos «ricos» que poderiam ser curadas pela riqueza dos «pobres», bastando para isso encontrarem-se e conhecerem-se. Ninguém é tão pobre que não possa dar algo de si na reciprocidade. Os pobres não podem ser aqueles que apenas recebem; devem ser colocados em condição de poderem dar, porque sabem bem como corresponder. Quantos exemplos de partilha diante dos nossos olhos! Os pobres ensinam-nos frequentemente a solidariedade e a partilha”.

A afirmação que São Marcos coloca na boca de Jesus: “Sempre tereis pobres entre vós” (Mc 14,7), serviu de mote a Francisco para o desenvolvimento do tema deste ano. Judas, indignado, achou um desperdício escandaloso o derrame dum vaso de perfume caro que uma mulher derramara sobre a cabeça de Jesus. Ripostou que melhor seria vendê-lo e dar o dinheiro aos pobres. Não porque fosse amigo dos pobres, mas porque, encarregado de guardar o dinheiro que davam para os pobres, o tirava para uso próprio. E o Papa torna presente a afirmação de Orígenes: “Se, agora, ainda houver alguém que tem a bolsa da Igreja e fala a favor dos pobres como Judas, mas depois tira o que metem lá dentro, então tenha parte juntamente com Judas”.

Quem mais pobre do que aquele que é perseguido, preso, torturado e condenado à morte pela prepotência e injustiça do poder, sem qualquer razão para o fazer, a não ser a sua própria razão, isto é, a razão sem razão de se sentir incomodado pela palavra e presença dos pobres que reclamam atenção e justiça?

Próximo da morte, Jesus elogia o gesto daquela mulher. Ao fazê-lo, Jesus vem-nos recordar ”que Ele é o primeiro pobre, o mais pobre entre os pobres, porque os representa a todos. E é também em nome dos pobres, das pessoas abandonadas, marginalizadas e discriminadas que o Filho de Deus aceita o gesto daquela mulher. Esta, com a sua sensibilidade feminina, demonstra ser a única que compreendeu o estado de espírito do Senhor. Esta mulher anónima – talvez por isso destinada a representar todo o universo feminino que, no decurso dos séculos, não terá voz e sofrerá violências –, inaugura a significativa presença de mulheres que participam no momento culminante da vida de Cristo: a sua crucifixão, morte e sepultura e a sua aparição como Ressuscitado. As mulheres, tantas vezes discriminadas e mantidas ao largo dos postos de responsabilidade, nas páginas do Evangelho são, pelo contrário, protagonistas na história da revelação. E é eloquente a frase conclusiva de Jesus, que associa esta mulher à grande missão evangelizadora: «Em verdade vos digo: em qualquer parte do mundo onde for proclamado o Evangelho, há de contar-se também, em sua memória, o que ela fez» (Mc 14, 9). Jesus pobre está do lado dos pobres, partilha a mesma sorte, identifica-se com eles, é o rosto deles. A presença dos pobres “não deve induzir àquela habituação que se torna indiferença, mas empenhar numa partilha de vida que não prevê delegações”.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter