Não vás em jeito de ‘Maria vai com as outras’…

Não vás em jeito de ‘Maria vai com as outras’…
Dom Antonino Dias

Dentro da mobilidade humana, as peregrinações são um fenómeno social que tem sido objeto de estudo em diversos campos do saber. Sobretudo a partir do ano dois mil, ganharam novo impulso, estão na moda. Embora nem sempre segundo os parâmetros convencionais, elas têm enorme interesse e valor. Aqui apenas nos referimos às tradicionais, às peregrinações de fé. Pessoas de todas as latitudes, crenças, raças e culturas dirigem-se como peregrinos em direção a lugares tidos como sagrados. É uma experiência religiosa universal. Pela 39ª vez, também nós vamos em peregrinação diocesana ao Santuário de Fátima, uma peregrinação presidida pelo Sr. Dom Augusto César, nosso Bispo Emérito em Jubileu Episcopal e que as começou em 1983: “Que alegria quando me disseram: Vamos para a casa do Senhor”.

Somos peregrinos, essa é a nossa identidade. Estamos no mundo mas não somos do mundo. Caminhamos em direção aos novos céus e à nova terra. E se peregrinar significa pôr-se a caminho, também significa calcorrear os caminhos do interior de nós mesmos, os caminhos da mente e do coração. Estes são quase sempre os mais difíceis de percorrer, os mais longos e mais longínquos. Têm muitos obstáculos a vencer, desde o egoísmo, o pecado e a autossuficiência, ao orgulho, a indiferença e o deixa correr. Há quem nem tente arriscar, há quem se canse, há quem desista, há quem se engane. Mas também há quem seja resiliente, quem resista, insista e persista nesses caminhos exteriores que fazem contemplar a beleza da criação mas também fazem avançar por aqueles outros caminhos que dão liberdade interior e sentindo à vida…

Foi sempre assim ao longo da história. Pessoas e povos, ora se enganavam e desviavam, ora sentiam a necessidade de se reencontrarem no certo e essencial com forte apelo à comunhão na gratuidade e na misericórdia. Salpicando todo o território deste planeta terra, os santuários descrevem a geografia da fé, são oásis no meio dos desertos da vida a matar a sede de Deus e a reencontrar a alegria e a paz. Ir até eles em peregrinação tem uma dinâmica própria que resumo em cinco etapas.

1 – A PREPARAÇÃO. A decisão de partir e a preparação para a saída têm os seus quês. Tudo deve ser pensado, rezado e programado na escuta do Espírito que atua em cada um. Tudo deve fundamentar e justificar a decisão de partir. Não se deve partir ao jeito de ‘Maria vai com as outras’. Deve haver um objetivo concreto para além da aventura, do turismo e da convivência possível. Por isso, cada um deve interrogar-se: que pretendo eu com esta peregrinação? Quero mudar de vida e regressar a casa como o filho pródigo ou apenas manifestar a minha devoção? Quais são verdadeiramente as minhas motivações? O que vou lá fazer? Quais são os objetivos espirituais que pretendo? O que tenho a fazer antes de partir para atingir o ideal que desejo, penso e programo?

2 – A CAMINHADA A FAZER. Vais iniciar uma peregrinação quer seja de fé e devoção, quer seja uma peregrinação votiva a cumprir uma promessa, quer seja uma peregrinação no intuito de progresso espiritual, quer seja uma peregrinação de conversão e de penitência como expiação de faltas graves, quer seja de ação de graças ou de mera companhia e apoio a quem parte com as suas motivações.

Vais sozinho? Não, nem penses que isso seja possível. Mesmo que tu vás sozinho, quem crê nunca anda sozinho! Jesus faz-se companheiro de viagem e quer muito conversar contigo. A oração não é monólogo, é diálogo. Ele fala-te como amigo e deves escutá-lo até ao fim e falar com verdade para Ele. É da discussão que nasce a luz.

Vais caminhar com outros? Então, não esqueças, o caminho conduz à solidariedade com os irmãos. Ajuda-os nessa caminhada para o encontro com o Senhor. Não sejas motivo de dispersão nem de banalização do sacrifício que o percurso implica. Respeita, ajuda, reza, agradece, suplica, aprecia e contempla a natureza como dom da ternura de Deus também para contigo.

3 – A CHEGADA AO SANTUÁRIO. É a meta, o lugar da alegria e do perdão, da escuta. O santuário é “memória da nossa origem”. Recorda “a iniciativa de Deus e faz com que o peregrino a acolha com o sentido da admiração, da gratidão e do empenho”. É “lugar da presença divina”, ele “testemunha a fidelidade de Deus e a sua ação incessante no meio do seu povo, mediante a Palavra e os Sacramentos”. É profecia, “recorda que nem tudo foi realizado”, “que estamos a caminho”. Mostra “a relatividade de tudo aquilo que é penúltimo em relação à última Pátria”. Faz descobrir Cristo “como templo novo da humanidade reconciliada com Deus”. Jesus é o verdadeiro Santuário, e, ali, reunidos à volta da mesa da Palavra e da Eucaristia experimenta-se a alegria da comunhão com Cristo e com os irmãos na fé.

4 – A FESTA DO ENCONTRO. Festa já vivida de algum modo pelo caminho mas agora também manifestada pela alegria de ter chegado. Foge-se à monotonia do quotidiano, há algo de diferente, de festivo. Celebra-se a alegria do perdão, exprime-se a fraternidade cristã dando espaço a momentos de convivência sadia, de amizade e de paz. É a alegria perfeita de quem, como Zaqueu, se deixou acolher por Jesus e acolheu Jesus em sua casa, uma alegria que ninguém jamais lha poderá tirar, a alegria de um coração fiel que se tornou, ele mesmo, templo vivo do Eterno, santuário da adoração d’Ele em espírito e verdade.

5 – O REGRESSO A CASA por outro caminho, o caminho da alegria e da paz, o caminho duma maior consciência da identidade cristã, de discípulo do Senhor. O caminho da missão no mundo com o testemunho da palavra e da vida, tanto na família, na profissão, na vizinhança, na convivência social e lúdica como na ajuda a dar à comunidade cristã que necessita da participação de todos para ser casa e escola de comunhão.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter