Movimento HUMANIZAR PORTUGAL reuniu-se com deputados do PS

Movimento HUMANIZAR PORTUGAL reuniu-se com deputados do PS

O Movimento HUMANIZAR PORTUGAL foi mais uma vez ao encontro dos deputados da AR. Desta vez esteve reunido com os deputados do Grupo Parlamentar do PS da 1ª Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

Estando em cima da mesa a nova proposta de lei da eutanásia, o HP procurou dialogar sobre os pontos comuns, e refletir em conjunto sobre as questões divergentes. Neste encontro gerou-se um interessante momento de reflexão e construção de ideias em busca do que mais importa e valoriza o Ser Humano, onde a dignidade humana ocupa o lugar central do debate.

Com sensibilidades e perspetivas diferentes, durante quase cerca de duas horas, podemos expor a importância da voz da sociedade civil, fazendo notar a tendência para o aumento de associações e movimentos de cidadãos, que mais conscientes do seu papel, querem também ser protagonistas dos destinos da nossa sociedade e estar a par das consequências de uma lei como esta. Onde está a nossa Humanidade?

Partindo de esta pergunta fundamental, apresentámos as nossas preocupações no de
que diz respeito a:

  1. Ausência de debate e as graves carências na implementação da lei dos Cuidados Paliativos.
  2. Sério impacto provocado por uma lei como a da eutanásia nos valores culturais da sociedade, e o risco associado de transmissão de valores contrários à defesa dos mais frágeis e desprotegidos.
  3. Difícil aplicação prática da lei que se diz restrita, e a possível banalização da mesma, podendo tendencialmente e à semelhança das experiências de outros países, tornar-se mais aberta, embora no “papel” não o seja.
  4. Consequências de uma lei como esta que é aprovada num contexto de reais e graves carências do sistema nacional de saúde.
  5. Desprezo total pelas advertências formuladas pela Sociedade Civil, nomeadamente, pelos diversos pareceres técnicos de diferentes órgãos consultados como o Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida e outras associações de bioética, as declarações conjuntas das conferências religiosas, as posições públicas da Ordem dos Advogados, da Ordem dos Médicos e de outras associações de profissionais de saúde, assim como uma nota dos últimos seis Bastonários da Ordem dos Médicos ou ainda a
    Declaração reiterada da Associação Médica Mundial.

A conversa foi de facto muito rica, e apesar de continuarmos com diferentes visões, convicções e divergências substanciais, saímos com a sensação clara de que este tipo de
encontros em muito enriquecem o debate e o sentido da política.

Saímos sempre todos a pensar…

Por outro lado, trouxemos a esperança de que esta “luta” é para continuar, e que mesmo as leis que vão traçando as trajetórias de uma sociedade são revogáveis num momento futuro da história.

Enquanto há Vida há Esperança, o que não podemos dizer da Morte pois essa esperança
morre com ela.

Estamos cá para continuar, e contamos com todos os portugueses. Se queremos acreditar e confiar nos nossos políticos, temos de lhes dar razões para tal: conhecer bem quais os seus e nossos poderes, aprofundar as questões da Justiça e da Lei e sermos politicamente ativos e interventivos.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter