Isabel Damasceno continua na CCDRC

Isabel Damasceno continua na CCDRC

A actual presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Isabel Damasceno, foi eleita, pela primeira vez, a 13 de Outubro, para continuar no cargo de presidente.
De acordo com a informação divulgada na página da Direção-Geral das Autarquias Locais (DGAL) votaram 2420 eleitores sendo que Isabel Damasceno venceu com 1909 votos a favor. Há ainda a registar 416 votos brancos e 95 votos nulos. Nesta primeira eleição para as comissões de coordenação, estavam inscritos no Centro 2.836 eleitores, entre presidentes de câmara, vereadores e eleitos das assembleias municipais dos 77 municípios abrangidos pela CCDRC.
Para vice-presidente, os presidentes de câmara da região elegeram o geógrafo Jorge Marques de Brito, actual secretário executivo da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra. Jorge Brito obteve 70 votos de entre os 77 presidentes de câmara. Havendo a registar 4 votos brancos e 3 nulos. O segundo vice-presidente da CCDRC será nomeado directamente pelo governo.
Em Proença-a-Nova a Assembleia Municipal reuniu em sessão extraordinária tendo como ponto único o refrido acto eleitoral. No total o concelho tinha 24 autarcas inscritos (presidente da Câmara, vereadores e deputados municipais).
Recordar que Isabel Damasceno já tinha assumido, no início do ano, a presidência da CCDR Centro por despacho da ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, que desempenhava a função antes de ingressar no Governo.
A nível nacional, mais de 10.000 autarcas foram chamados a eleger pela primeira vez, através de colégios eleitorais regionais, os cinco presidentes das CCDR, que eram até agora nomeados pelo Governo.
Apesar de ser formalmente uma eleição, os candidatos resultaram maioritariamente de um acordo entre o Governo e o líder da oposição, Rui Rio. Contudo o sistema não foi consensual, tendo havido vários apelos ao boicote por parte de autarcas e partidos.
Segundo a lei, aprovada no final da legislatura passada, os mandatos para os presidentes e vice-presidentes das CCDR serão de quatro anos e a respetiva eleição decorrerá nos 90 dias seguintes às eleições para os órgãos das autarquias locais. No entanto, excepcionalmente, este ano decorreram em outubro e o mandato será de cinco anos.Tal como os autarcas, os dirigentes eleitos também estão sujeitos a uma limitação de três mandatos consecutivos.

*com Lusa

Para si... Sugerimos também...

Subscreva a nossa newsletter