Estórias de um arquivo judicial

Estórias de um arquivo judicial

Aconteceu no dia 7 de Novembro de 2020, no auditório da Biblioteca Municipal de Proença-a-Nova, a apresentação do livro Estórias de um arquivo judicial de José Avelino Gonçalves, juiz presidente do Tribunal Judicial da Comarca de Castelo Branco.

A apresentação do livro contou com a presença do autor, do editor, das várias autoridades autárquicas, religiosas, judiciais, entre outros.
Guardando as normas da DGS, José Avelino iniciou esta apresentação, de forma informal, amistosa e familiar, com uma visita guiada à exposição documental patente no Auditório Municipal. A exposição pretende aguçar o apetite para a leitura do livro aludindo a algumas histórias nele narradas e apresentando os documentos originais, processos judiciais arquivados, que serviram de inspiração às 32 histórias apresentadas no livro. O processo investigados e apresentados no livro estão balizados entre 1820 e 1920.

José Avelino manifestou um especial interesse pela leitura do depósito de processos arquivados, guardados no sótão do tribunal da Covilhã. A motivação desta investigação consiste na convicção de que, pondo à luz alguns processos, romanceados, apresenta simultaneamente um retracto de um tipo de justiça aplicada, neste século estudado, as penas, as pessoas tipo levadas ao tribunal, os problemas sociais (contrabando, roubos, a desconsideração da mulher que nem sequer se podia defender em tribunal, os clérigos, entre muitas outras situações). Desta forma, compreendemos o contexto social de onde vimos e o caminho que a justiça e a sociedade ainda deve percorrer.

O livro foi apresentado na Lousã, em primeiro lugar, dado esta é a terra natal do autor e da Cooperativa Trevim que o editou. Proença-a-Nova recebeu esta apresentação, porque há uma grande ligação entre o magistrado José Avelino e o Município de Proença: ambos foram solidários e cooperantes quer na implementação do sistema de videoconferência para audição de testemunhas em processo judiciais, instalado nos Paços do Concelhos; quer no apoio do autarca de Proença como conselheiro no Tribunal da Comarca de Castelo Branco; quer na disponibilidade de recursos humanos da Câmara de Proença na elaboração do Grafismo do livro (Catarina Alves) uma vez que esta obra também foca as gentes proencenses.

Por fim, esta abertura histórica dos arquivos judiciais apresentada pelo futuro Juiz Desembargador do Tribunal da Relação Coimbra José Avelino, foi como que um despir a túnica preta de magistrado e contemplar o homem da justiça, o homem dos afectos e da família, o homem que se preocupa em preservar património, que se esforça por se entender na história e que a história judicial também seja luz para a nossa actualidade.

O livro encontra-se à venda na Livraria Paroquial de Proença-a-Nova.

Para si... Sugerimos também...

Subscreva a nossa newsletter