Alunos do Secundário imaginam a alimentação do futuro e criam pratos inovadores

Alunos do Secundário imaginam a alimentação do futuro e criam pratos inovadores

Cerca de 600 estudantes do ensino secundário de norte a sul do país (incluindo Madeira e Açores) participaram num concurso promovido pela Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa no Porto. O desafio foi criar pratos que respondam aos três grandes desafios: nutrição, economia e sustentabilidade ambiental. Entre os premiados estão o Escondidinho de Grilo e o Sorvete de Couve-Flor em Crepes de Quinoa.

Entre guerras, alterações climáticas e o crescimento da população humana, o direito básico à alimentação não é garantido. Há mais de 800 milhões de pessoas (duas vezes a União Europeia) que passam fome diariamente e os números não cessam de aumentar. Para criar um futuro diferente do presente a alimentação vai ter de conjugar três grandes prioridades: um elevado valor nutricional, um baixo custo económico e uma pegada ecológica reduzida. E esta é uma mudança de perspetiva que exige novos olhares sobre a alimentação: precisamente a premissa por detrás do concurso que agora anuncia os seus premiados.

Paula Castro, diretora da Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa no Porto, salienta “criámos este desafio para perguntar qual é a melhor forma de nos alimentarmos. Não há verdadeiramente direito a comer quando os alimentos são nutricionalmente pobres, caros demais – resultando em malnutrição – ou degradam o ambiente, comprometendo o direito das gerações futuras a alimentar-se. Existe uma teia invisível de implicações em cada escolha alimentar e precisamos urgentemente de encontrar respostas sustentáveis.” A diretora acrescenta ainda “ficamos muito satisfeitos ao perceber que há tantas escolas secundárias alinhadas com as nossas preocupações e tantos jovens sagazes a contribuir para as soluções.

No total cerca de 600 estudantes de 66 escolas secundárias a nível nacional, incluindo Madeira e Açores, responderam ao desafio lançado pela Escola Superior de Biotecnologia. Cada grupo (um professor e 1 a 4 alunos) desenvolveu a receita (que tem de ser original embora possa ser uma adaptação de outra já existente), preparou o prato e documentou o processo. Além disso submeteu um pequeno dossier com a justificação das várias escolhas e resultado.

Em cada categoria – entrada, prato principal e sobremesa – os melhores trabalhos foram escolhidos por uma triagem em duas fases. Na primeira um júri composto por quatro especialistas em nutrição selecionou as 30 receitas finalistas. Seguidamente um outro júri com cinco elementos distintos, especialistas em ambiente, transição alimentar e sustentabilidade, escolheu os premiados. Este método maximiza a credibilidade do processo de seleção. Cada 1º lugar recebe 100€, os 2ºs recebem 60€ e os 3ºs lugares recebem 40€ cada, além de diplomas. Apresentam-se abaixo os trabalhos premiados. Estão disponíveis fotos e as receitas detalhadas de todos eles.

*PATRÍCIA GOMES, Senior Communication Consultant

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter