Admirável (ou Lamentável) mundo novo?

Admirável (ou Lamentável) mundo novo?
Maria Susana Mexia, Professora

Admirável Mundo Novo é um romance escrito por Aldous Huxley e publicado em 1932. A história é passada em Londres, numa sociedade moderna, no ano 2540 (632 DF – “Depois de Ford”, a entidade mítica que fundara as bases dessa nova era de tecnologia reprodutiva, profundamente hedonista, com manipulação psicológica e condicionamento clássico, que se combinam para mudar profundamente a sociedade.

Nesta distopia*, as crianças eram geradas em laboratório, já condicionadas às funções que exerceriam e criadas em Centros de Condicionamento do Estado.  As pessoas eram divididas em castas, de acordo com as letras do alfabeto grego: alfas, betas, deltas, gamas, ípsilons, zetas. O nascimento determinava a função e posição que ocupariam na sociedade, sem qualquer possibilidades de mudança ou questionamento.

Nos Centros de Condicionamento, as crianças aprendiam lições através de repetições constantes. O objetivo era ensiná-las a repetir frases feitas sem pensar. Os livros eram na sua maioria proibidos, os relacionamentos românticos eram proibidos e as pessoas incentivadas desde jovens à promiscuidade.

Nesta sociedade imaginária uma droga chamada “Soma” era consumida por todos em grandes quantidades, condição essencial para a desumanização e manipulação da vontade. Era importante criar uma felicidade artificial, controlada tecnologicamente, enquanto era fomentado o recurso a drogas, as quais também eram usadas como correctivo de comportamentos desviantes.

Aldous Huxley no livro Admirável Mundo Novo, foi um dos representantes das novas experiências psíquicas e psicadélicas fomentadas nos anos cinquenta e sessenta, especialmente nos movimentos New Age.

Na busca da procura de estados místicos, alegadamente superiores e de experiências psicadélicas de expansão da consciência, da visão unificadora do mundo, dum além, duma outra face do real e da exploração de outras zonas do eu, impulsionou-se também o recurso ao LSD 25, e num curto espaço de tempo a droga atingiu 350 000 jovens americanos, expandindo-se pela Europa e, posteriormente, por outros locais do mundo.

No momento histórico em que o cristianismo na Europa e nos EUA estava a ser alvo de descrédito e começava a ser considerado retrógrado, o avanço da ciência e da tecnologia aliados a estas novas ideias do New Age conquistaram muitos adeptos e foram impregnando toda a sociedade através do cinema, da música, da arte, da literatura e da moda. Os seus grandes difusores foram os meios de comunicação, a publicidade e consequente estratégia comercial que sabiamente se aproveitou destas novidades.

Aldous Huxley escreveu, mais tarde, em 1958, o Regresso ao Admirável Mundo Novo, um ensaio onde demonstrava que muitas das suas “profecias” estavam a ser realizadas graças (?) ao “progresso” científico.

Uma obra profética sobre a manipulação da vontade e a desumanização do homem, numa sociedade totalitária, dominada pela tecnologia e pelo materialismo sob a falsa aparência de democracia, felicidade e liberdade.

Constatando a nossa realidade será de questionar: admirável ou lamentável mundo novo? Ao leitor eu deixo a questão para reflectir.

*Ideia ou descrição de um país, de uma sociedade ou de uma realidade imaginários, em que tudo está organizado de forma opressiva, assustadora ou totalitária, por oposição à utopia.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter