Proença-a-Nova: Associações reuniram em formato online

 Proença-a-Nova: Associações reuniram em formato online

O VI Encontro de Associações, realizado a 16 de janeiro, aconteceu exclusivamente online devido à renovação do Estado de Emergência e ao confinamento generalizado da população.

A crise de saúde pública provocada pela COVID-19 desde março de 2020 tem obrigado a um reajustar de estratégias em todas as áreas de atividade, incluindo no sector associativo. No caso do concelho de Proença-a-Nova “a maior parte das associações engloba as comunidades locais, num trabalho de grande proximidade que foi destacado por João Lobo, presidente da Câmara Municipal”.

“O envolvimento das associações nas comunidades traduz o que temos vindo a dizer ao longo destes anos todos: as associações são as pequenas células que fazem com que o corpo todo funcione. E, nessa circunstância, se 2020 foi um ano que nos trouxe uma forma diferente de nos contactarmos, apresentou-nos também novas oportunidades que nos permitem lidar com os fatores desafiantes neste ano de 2021”.

referiu João Lobo

O autarca relembrou as mais de 24 intervenções realizadas nas sedes das associações nos últimos anos que as prepararam para acolher as iniciativas desenvolvidas localmente e que são cada vez mais necessárias em contextos de pandemia e num cenário de diminuição da população que será espelhada nos censos deste ano.

“Isso obriga-nos a todos, evidentemente que ao Município em primeira linha, a desenvolver a capacidade de fazer diferente. É necessário combater o risco de nos alhearmos desta realidade e trazer a capacidade interventiva individual para o coletivo”

afirmou o autarca

Sobre as florestas o autarca recordou o regulamento municipal de conversão de áreas florestais em áreas agrícolas na faixa dos 100 metros junto aos aglomerados populacionais, num processo “que as associações devem liderar e implementar nas suas aldeias”. Para o autarca é necessário reeducar os proprietários de terrenos “no sentido de uma visão mais alargada da gestão florestal, até porque o fogo não conhece fronteiras” sendo que “as associações têm que ter um empenho muito mais forte neste tema”.

João Lobo aproveitou ainda o encontro para salientar que a Câmara está a desenvolver todos os esforços no sentido de garantir uma cobertura de rede móvel idêntica em todo o concelho.

“Essa é também uma luta que temos vindo a dirimir pois não somos todos iguais, de facto, relativamente à cobertura móvel e à capacidade de termos a todo o momento a oportunidade de nos ligarmos e essa é uma condição essencial nos dias de hoje por que devemos todos pugnar”.

informou João Lobo

Por sua vez Manso, vice-presidente, recordou o regulamento municipal de atribuição de apoios e subsídios a que as associações podem recorrer, numa das três vertentes disponíveis: contrato-programa, protocolo ou apoio à atividade regular, bem como os prazos em vigor (terminam a 30 de março) e os documentos necessários.

Em Ano Municipal dos Sabores Tradicionais, os eventos gastronómicos nos moldes habituais vão ser alterados, tendo em conta as restrições provocadas pela pandemia, num modelo que passará a envolver os restaurantes e, sempre que possível, parcerias com as entidades associativas.

“Para as associações estamos a planear ter a Festa do Município e o Mercado dos Sabores de Natal, dependendo da forma como a pandemia evoluir”, referiu João Manso, deixando um incentivo para serem desenvolvidas atividades locais com a população.

“Queremos incentivar-vos a realizar, a uma escala mais pequena, atividades culturais, musicais, editoriais, há associações que gostariam de publicar e algumas até já publicaram livros, atividades ambientais, de cidadania e a realizarem alguns fóruns de discussão e de reflexão sobre a vossa localidade”

refere João Manso

O autarca disponibilizou a ajuda dos técnicos da autarquia consoante a área em que decidirem apostar, atividades que já podem vir enunciadas na planificação deste ano.

As associações tiveram ainda oportunidade de partilhar as suas experiências em ano de pandemia e, como forma de assinalar o Ano Municipal dos Sabores Tradicionais, foi apresentado o projeto de Carta Gastronómica do Concelho de Proença-a-Nova, tendo intervindo três chefs, Manuel Pinheiro, João Branco e Rui Lopes numa mensagem previamente gravada, e será oferecida às associações presentes uma colher de pau, tamanho XXL, elaborada por um artesão do concelho e personalizada para marcar o VI Encontro de Associações.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter