Proença-a-Nova: Alunos estão a estagiar em terras Italianas

Proença-a-Nova: Alunos estão a estagiar em terras Italianas

Foi na passada, terça-Feira, 31 de maio, que 5 alunos do curso Técnico Informático de Sistemas e uma aluna do curso Animador Sociocultural deram início ao seu projeto Erasmus “Proença – mexe e aprende” que os levou a uma nova experiência, em Turim, Itália.

Este é um projeto que já vem do ano letivo de 2018/2019, que devido a pandemia teve der ser suspenso e só agora foi retomado.

Desta forma os alunos do curso TIS ao longo dos próximos dois meses vão integrar empresas sediadas em Turim na área da informática e programação já a aluna do curso ASC irá para uma entidade ligada a campos de férias.

De forma a dar conta desta experiência o professor Jorge Santos deu uma entrevista ao Jornal de Proença. Entrevista que pode ler de seguida.

Jornal Proença (JP): Organizar este projeto foi um processo fácil e rápido?

Prof. Jorge Santos (JS): O processo para a entrada neste projeto, foi longo e complexo. Foi feita uma auscultação aos alunos dos cursos profissionais a funcionar na escola, no ano letivo em 2018/2019 no sentido de averiguar o interesse na participação no projeto. Reuniram – se os diretores de Curso (Prof. Luís Coelho, pelo Curso Profissional de Técnico de Informática de Sistema, o Prof. Luís Monteiro, pelo Curso Profissional de Comércio e eu mesmo, pelo Curso Profissional de Técnico de Turismo Ambiental e Rural e Animador Sociocultural) e avançou se com a proposta, candidatura feita com o total apoio da direção da escola e da professora de Inglês, Catarina Lourenço. Fizemos a candidatura, e a mesma foi aprovada, para nossa total satisfação. Contudo, no ano seguinte iniciou – se uma pandemia que nos complicou a sua implementação, sendo que somente agora se vão iniciar as mobilidades. Foi desta forma que nasceu o projeto que intitulamos: Proença – mexe e aprende, com o lema de incentivar os jovens a procurar outras realidades para aprender.

JP : Que responsabilidades vêm com este projeto?

JS: Com este projeto vem uma maior responsabilidade para todos os elementos da escola, enquanto entidade que possui cursos profissionais. A possibilidade de executar formação em contexto de trabalho noutros países, possibilita aos nossos alunos experiências de grandes valias pessoais e profissionais, uma abertura de espírito para o contexto europeu, uma aprendizagem noutros contextos que possibilita aos nossos alunos terem contatos com outras realidades, o que os ajudará a nível profissional, pois contarão com uma experiência de estágio ERASMUS no seu curriculum, mas também a nível pessoal irá enriquecer os seus conhecimentos, pondo em prática o que é lecionado nas aulas do Agrupamento. Para professores e restante comunidade escolar, é a possibilidade de um contacto com diferentes realidades, contexto e dinâmicas que podem contribuir para a melhoria do ensino profissional na escola, a nível regional e a nível local, com o que de melhor se faz pelos países da União Europeia. Ter uma escola virada para um projeto europeu, é uma mais valia a todos os níveis, pois possibilita maiores aprendizagens, uma maior abertura e um posicionamento estratégico diferente na região em que nos contextualizamos, como uma zona do interior do país.

JP: O que acha do projeto?

JS: A possibilidade de ter uma experiência de mobilidade a nível do estrangeiro é sempre uma oportunidade única, quer ao nível de formação em contexto de trabalho (estágio), quer ao nível de formação de professores, ou para conhecer outras realidades e projetos que sejam de interesse, quer para as escolas onde trabalhamos estes projetos. Para os alunos, possibilita que adquiram maiores competências, valias e conhecimento com outras realidades e outras práticas, dentro da sua área de formação; aos professores, possibilita a formação dentro de áreas concretas, que permite depois em contexto de sala de aula inserir boas práticas, mostrar outras perspetivas e outros contextos; ao nível do projeto, é sempre importante verificar outras realidades, outros contextos e outras vivências. Vivemos num mundo global, é de extrema importância saber o que se faz a nossa volta, sairmos um pouco fora da caixa e não termos medo de arriscar. Para os nossos alunos dos cursos profissionais, a realização de uma mobilidade Erasmus representa uma grande mais valia, imprescindível na valorização do curriculum vitae. Realizar uma mobilidade Erasmus é para um potencial empregador a garantia que o candidato detém as soft skills necessárias às exigências do mercado de trabalho atual (competências linguísticas, autonomia, resiliência, entre outras)

JP: Se tivesse oportunidade também participava? Porque?

JS: “O saber nunca ocupa lugar”. Enquanto estudante universitário em Coimbra, nunca pensei em fazer Erasmus, talvez por falta de informação ou pelo medo de arriscar. Já tive a oportunidade de participar em programas no âmbito do projeto Erasmus, através de uma formação que fiz em 2012 em inovação em turismo, na Eslovénia com o tema “From trends in hospitality and tourism business to trends in hospitality and tourism education”,assim como acompanhei estágios curriculares nas áreas do turismo, Informática de Gestão e Secretariado realizados no âmbito do Programa Erasmus +, “Uma Europa para todos”, que decorreu em Portsmouth, Inglaterra (2017), e nas áreas do turismo e Informática de Gestão, no programa “Caminho para o Futuro”, que decorreu em Praga, República Checa (2014), sempre enquanto docente da Escola Tecnológica e Profissional da Sertã.

JP: O estágio terá uma duração de quanto tempo?

JS: Depende das modalidades que os alunos possam obter. Os primeiros alunos terão a possibilidade de fazer estágio durante mês e meio, sendo que em setembro, os finalistas dos cursos profissionais de Informática de Sistemas e de Animador sociocultural, ainda poderão ter a possibilidade de fazer outros estágios, enquanto alunos formados pelo agrupamento, podendo ser uma enorme rampa de lançamento para quem termina o 12º ano. O projeto Proença – mexe te e aprende, possibilita a mobilidade de 23 alunos em contextos de formação (estágios) e formação de 10 professores, totalmente pago, associados aos cursos profissionais do agrupamento.

JP: Para que localidade é que os alunos irão estagiar?

JS: Os 5 alunos do Curso Profissionais de Técnico de Informática de Sistemas irão estagiar em empresas na área da informática e programação, sendo que a aluna que seguirá de animador sociocultural irá para uma entidade ligada a campos de férias. Ambas as empresas estão sediadas em Turim.

*Gabriel Marçal; Luís Martins

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter