Os maus fígados de gente sem paz

Os maus fígados de gente sem paz
Dom Antonino Dias

A saúde da paz foi sempre muito precária, muito débil. Sempre houve gente de maus fígados, prepotente, volúvel. Gente fascinada pela cultura da morte, por imperialismos históricos, por arsenais de armamento escondido a espreitar por detrás da porta para provocar, ameaçar ou atingir quem está ou passa inocente. “Se queres conhecer o vilão, mete-lhe o pau na mão”, diz o nosso povo. E di-lo sem grande esperança em qualquer espécie de profilaxia ou de terapia. O povo sabe que estes ‘doentes’ são maus doentes, não colaboram na possível cura. Antes pelo contrário, orgulham-se dela, promovem e agravam a doença por entre os estridentes aplausos dos seus aduladores e subservientes de serviço. Apesar de ser um dos seus principais deveres, o mundo, graças a estas patologias humanas, tem muita dificuldade em se governar na paz. Depressa esquece que todos fazemos parte do género humano, da fraternidade universal, que todos somos irmãos, responsáveis uns pelos outros.

Entre nós, porém, também há sinais de retrocesso no que à paz diz respeito. Há quem, em pezinhos de lã e com linguagem subtil, ocultando chamar os bois pelo nome, se esforce por levar a água ao seu moinho para triturar e inverter o que tanto tem custado a conquistar ao longo dos tempos: o respeito pela vida: “não matarás”. Há quem defenda a cultura da morte como se de um salto civilizacional se tratasse ou como se essa fosse a questão mais premente das políticas de saúde pública ou da vida social a resolver. Se a vida é o vértice da paz, se a paz e a vida são bens por excelência da condição humana e de qualquer ordem social, se a paz e a vida são bens interdependentes ou correlativos, a paz não pode ser senão a vitória do direito e a feliz celebração da vida devidamente cuidada e assistida. Toda e qualquer ofensa à vida é um atentado contra a paz. Se queres a paz, respeita a vida, a paz começa em ti. Esta paz que começa em cada um de nós, porém, não é possível se baseada em sofismas ou fantasias que levem à eliminação da própria vida ou da vida de terceiros, seja em forma de aborto, de eutanásia ou de qualquer outra forma de violência fratricida: “não matarás”. Mal da sociedade e do progresso quando o direito perde o seu caráter humano, quando deixa de ser o que deve ser e se empanturra de indiferença, frieza e deturpações, deixando de defender a vida e a pessoa diferente, criando dela uma imagem negativa e incómoda ou fabricando uma falsa compaixão por ela, ao ponto de a excluir ou destruir, sobretudo as mais frágeis. E tudo isto invocando o direito à plena liberdade e à dignidade pessoal de quem o faz ou pede que lho façam, e ao dever de quem o deve permitir ou colaborar. De facto, somos uns artistas sem igual em busca de razões sem razão só para manifestar maus fígados, satisfazer ideologias e egoísmos vários e não fazer o que devemos fazer para acompanhar e cuidar! Porque não é fácil enfrentar a verdade e edificar sobre a rocha, governa-se e vive-se ao som dos ventos, das modas e dos interesses, construindo sobre areia movediça e querendo voar contra o SOL esquecendo que as asas são de cera!… Nenhum projeto civilizacional se aguenta quando construído sobre os alicerces da cultura da morte! Infelizmente, perde-se a memória, ignoram-se as lições da história!…

Sabemos que a par dos conflitos que acompanham a história humana, o homem sempre buscou a paz. Mas, que paz? É certo que o mundo pode proporcionar uma certa tranquilidade a pessoas e sociedades, levando-as a viver sem grandes preocupações e dificuldades. Deus dá graças comuns a toda a gente, “faz nascer o sol sobre maus e bons e cair a chuva sobre justos e injustos.” (Mt 5, 44-45). A isso, porém, só latamente se pode chamar paz, não só porque se limita ao âmbito material e exterior, mas também porque leva a pensar que a paz consiste na ausência de guerra. Sem negar essa tranquilidade que o mundo pode dar, Cristo disse-nos: “Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz. A paz que vos dou não é a paz que o mundo dá” (Jo 14, 27). Realço: a Paz que Jesus nos dá não é “a paz que o mundo dá”, é a paz que Ele nos alcançou através da morte, reconciliando-nos com Deus, servindo, amando, lavando os pés aos outros, dando a vida. Por isso nos diz: “dou-vos a Minha paz”. É uma paz própria, caraterística d’Ele. Não como o mundo a dá por medo de consequências, por cansaço de violências, de injustiças, de humilhações. É uma paz que não se pode reivindicar nem comprar porque não está armazenada nem à venda, mas pode e deve-se pedir e construir. É uma paz dada gratuitamente, por amor, como dom e prenda confiada aos homens, não como prémio merecido. Jesus dá essa paz onde e quando a vontade de competir, de dominar, de ser o mais importante e o mais forte, ceder lugar ao serviço, ao amor desinteressado pelos últimos, à humildade de reconhecer que todos somos irmãos e responsáveis uns pelos outros. Esta paz não é mera ausência de guerra, é presença de Deus que é amor, é paz com Deus, é paz em Deus reconciliados que fomos com Ele pela morte de seu Filho, o Príncipe da Paz. E se a vida nos apresenta dificuldades, não devemos ficar perturbados nem ter medo, estamos com Ele, Ele venceu o mundo: “Disse-vos estas coisas para que tenhais a Minha paz. Neste mundo tereis aflições, mas tende coragem: Eu venci o mundo” (Jo 16,33).

“A paz, para nós, cristãos, não é somente um equilíbrio exterior, uma ordem jurídica, um conjunto de relações públicas disciplinadas; para nós, a Paz é, antes de mais nada, o resultado da atuação dos desígnios de sapiência e de amor com que Deus quis instaurar relações sobrenaturais com a humanidade. A Paz é o primeiro efeito desta nova economia, a que nós chamamos a Graça; “graça e paz”, repete o Apóstolo; é um dom de Deus que se torna estilo da vida cristã, é uma fase messiânica que reflete a sua luz e a sua esperança também sobre a cidade temporal e que fortalece com razões bem mais elevadas aquelas mesmas razões sobre as quais ela assenta a sua paz. Na verdade, à dignidade de cidadãos do mundo, a Paz de Cristo acrescenta a de filhos do Pai celeste; à igualdade natural dos homens, ela ajunta a da fraternidade cristã; às desavenças humanas que sempre comprometem e violam a paz, aquela Paz de Cristo enfraquece os pretextos, contesta os motivos e aponta-lhes as vantagens de uma ordem moral ideal e superior e revela-lhes ainda a prodigiosa virtude religiosa e civil do perdão generoso; à insuficiência da habilidade humana para criar uma paz sólida e estável, a Paz de Cristo fornece o auxílio do seu otimismo inexaurível; à falsidade da política do prestígio orgulhoso e do interesse material, a Paz de Cristo sugere a política da caridade; à justiça, muitas vezes cobarde e impaciente, que afirma as suas exigências com o furor das armas, a Paz de Cristo infunde a coragem invencível do direito, haurido das razões profundas da natureza humana e do destino transcendente do homem. E acentue-se ainda que não é medo da força e da resistência a Paz de Cristo, a qual recebe o seu espírito do sacrifício que redime; não é fraqueza transigente perante as desgraças e as deficiências dos homens sem sorte e sem defesa, esta Paz de Cristo possui a compreensão da dor e das necessidades humanas e sabe encontrar oportunamente amor e dádivas para os pobres, para os fracos, para os deserdados, para os que sofrem, para os que são humilhados e para os vencidos. Por outras palavras: a Paz de Cristo, mais do que qualquer outra fórmula humanitária, é solícita pelos Direitos do Homem”.

São Paulo VI, II Dia Mundial da Paz, 1969

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter