Governo apoia prejuízos do fogo de Proença-a-Nova

 Governo apoia prejuízos do fogo de Proença-a-Nova

O Conselho de Ministros aprovou ontem, 19 de outubro, uma resolução que declara os incêndios ocorridos no início de agosto em Castelo Branco/Proença-a-Nova e em Odemira/Aljezur/Monchique como “situações excecionais” e determina medidas relativamente aos danos causados.

Num comunicado sobre a reunião do executivo, em relação à qual não houve conferência de imprensa, o Governo adianta que aquela resolução “determina medidas de resposta imediatas em consequência dos danos causados, assim como medidas para aumentar a resiliência e competitividade dos territórios afetados pelos incêndios rurais”, sem, no entanto, indicar quais.

O incêndio que deflagrou no dia 04 de agosto no concelho de Castelo Branco, e que progrediu para Proença-a-Nova, consumiu 6.553 hectares, enquanto o fogo que começou em Odemira, no Alentejo, no dia 05 de agosto, e se alastrou para Aljezur e Monchique, já no Algarve, afetou 7.513 hectares.

Estes dois incêndios foram os maiores registados em Portugal este ano e, em ambos os casos, chegaram a ser combatidos por mais de 1.000 operacionais.

O incêndio que deflagrou em Odemira, distrito de Beja, provocou prejuizos de cerca de 15 milhões de euros, anunciou em 12 de setembro a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, referindo-se a uma primeira estimativa.

Quanto ao outro fogo, o presidente da Câmara de Castelo Branco, Leopoldo Rodrigues, estimou em 18 de agosto danos avaliados em 394 mil euros, verba que excluia os valores resultantes dos 1.203 hectares de área ardida no concelho.

Em Proença-a-Nova, o presidente da câmara, João Lobo, apontou, em 22 de agosto, prejuízos de 5,5 milhões de euros.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter