Dia Internacional da Família

 Dia Internacional da Família

Dia Internacional da Família é uma data comemorativa celebrada anualmente no dia 15 de Maio alertando para a importância da família, ao mesmo tempo que impele a políticas que possam beneficiar todas as famílias.

Essa data foi criada pela Organização das Nações Unidas  (ONU), em 1993, e comemorada pela primeira vez em 1994…

família é o grupo social mais básico presente na sociedade e que faz parte das relações humanas. É redundante e elementar recordar todas as referências à Família. Parece que nada mais há a acrescentar ao que já todos, sobejamente, sabemos de forma firme, credível e consensual.

Porém, é sempre bom comemorar esta data que nos impele a recordar e salientar a importância da FAMÍLIA, o seu valor humano, afectivo, caloroso, acolhedor e único.

Para nos ajudar a reflectir sobre o tema recorri a algumas passagens de especialistas na área, tendo por base um livro que li e reli, sempre descobrindo novos pontos e passagens que me obrigaram a parar e pensar, na certeza de que a colaboração de todos é indispensável e preciosa para alavancar a sociedade:

«Recorrentemente, a família é tema e problema. Já este facto confirma a sua importância e atualidade. Tema sempre foi, problema é-o especialmente hoje».

«Há famílias distorcidas, relações feridas, sofridas por acidentes de várias ordens, por morte, por abandonos, doenças, fraquezas, etc., mas são, precisamente, as dificuldades que, reconhecidas como fazendo parte da natureza, fazem crescer com realismo e desabrochar uma identidade madura».

«Observando a realidade, temos de reconhecer que a esfera política (o Estado) e a economia (o mercado) usurparam duas das funções básicas da Família – educação e economia – e dificultaram fortemente a terceira – intimidade. O Estado e o mercado estrangulam a instituição da qual, no entanto, têm de viver – a Família».

«As ideologias totalitárias e as de género, de modos opostos, comprimem e reduzem as famílias: não serão árvores da vida, nem sequer árvores genealógicas, nem tão pouco células base sobre as quais assenta a sociedade. Se um dia a cultura resvalasse para um individualismo consumista em busca da satisfação como um direito, seja a modo -`comunitarista ‘ou `libertário´, entraríamos em autodestruição».

«A verdade, porém, é que os seres humanos, dentro de si, estão exactamente iguais ao que sempre foram; e nada daquilo que o exterior nos possa dar consegue substituir o amor, o calor, o conforto da família.

A família não precisa de defesa, porque ela é nuclear, indispensável, insubstituível. Aquilo que temos de nos esforçar por defender é a sanidade e equilíbrio de tantos dos nossos que, deslumbrados pela ilusão urbana, destroem o seu coração. Quem precisa da nossa ajuda são, não as famílias, mas os pobres tontos que lutam contra ela e, por isso, contra si mesmos».

Nada mais havendo a acrescentar, resta-me referir que o livro em questão se chama (IDENTIDADE E FAMÍLIA), tem a chancela da OFICINA DO LIVRO, os seus autores excedem as duas dezenas, não sendo conservadores, a sua intenção directa é desconstruir e não conservar o statusquo das últimas sessenta décadas. Também rejeitam adoptar o novo acordo ortográfico, o que mais uma vez denota a sua vertente não conservadora do passado/presente.

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter