Centro de fenómenos aeroespaciais

 Centro de fenómenos aeroespaciais

O trabalho nacional e respetiva classificação CIFA (Centro de Investigação de fenómenos aeroespaciais) foi divulgado no dia 15 de março de 2024 e enviada nota à nossa redação.

“Dos avistamentos que chegaram ao Centro de fenómenos aeroespaciais desconhecidos, em Portugal, o CIFA acaba de editar mais um “Relatório Anual Estatístico de Ocorrências de Fenómenos Aeroespaciais em Portugal-2023”.

Adiantou, que entre 2021-2023, são 83 ocorrências de fenómenos analisadas de forma mais apropriada, ressaltando que resistiu este ano um caso considerado como provável “Não Identificado”, ou “fenómeno aeroespacial desconhecido” na sua origem, nomeadamente ocorrido em Julho, na vila alentejana Viana do Alentejo (Évora).

O Relatório composto por 34 páginas, dá enfase a fenómenos que mantém erros de interpretação pela população, nomeadamente os “famosos Starlink”, mas também e de forma relevante, os projetores laser de discotecas e drones.

Os balões (nos seus mais variados modelos) festivos também contribuíram significativamente para interpretação de muitos populares no firmamento.

Com intenções bem claras e intencionais de estudo, Vítor Moreira (Presidente do CIFA), considera que

“contínua a ser um elo fundamental de partilha para o conhecimento da opinião pública, procurando manter e estabelecer um canal de informação recíproco.

Somos uma equipa multifacetada que procuramos aprofundar o estudo, análise e investigação do fenómeno OVNI no nosso país, onde a busca e o encontro por padrões relevantes no fenómeno são as nossas metas fundamentadas na nossa
existência”.

Vitor Moreira

O CIFA

O CIFA é uma associação civil de estudo, apoiada pela Câmara Municipal de Vila de Conde, com um grupo de 23 membros investigadores nacionais.

Segundo Vítor Moreira, aguardam ainda este ano a mudança das suas instalações provisórias para definitivas, que “vai permitir ter uma capacidade operacional de trabalho muito relevante na questão interventiva dos fenómenos“.

Desde a sua utilização e formação das suas equipas de investigadores, “vamos ter um ponto de encontro com a sociedade civil, onde esperamos levar igualmente a nossa mensagem a todas capitais de distrito numa exposição documental sobre o tema” programada a sua conclusão para o corrente ano.

A necessidade de utilização de meios técnicos de monitorização do firmamento, está a ser estudada para aplicação num protótipo tecnológico a ser desenvolvido por alguns dos nossos Membros“, sendo uma diretriz principal de execução.

Ainda, segundo o mesmo, “este ano vamos dar início a várias visitas aos aeródromos nacionais com a intenção de levar a nossa mensagem de estudo e localização de testemunhos aéreos, classe predominantemente técnica de observar o firmamento“.

O CIFA adianta que o projeto “AERO24UAP”, pretende arrancar em Junho e finalizar durante o próximo ano num total de mais de 30 visitas presenciais devidamente programadas.”

*Vítor Moreira, Presidente CIFA

Para si... Sugerimos também...

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva a nossa newsletter